Botafogo 1 x 0 Santos

Em um jogo tecnicamente horroroso, Muricy perde sua invencibilidade e o Santos perde para o Botafogo.















O primeiro tempo foi equilibrado.

Marcando sob pressão no campo de defesa do Botafogo, o Santos fazia o time carioca errar muitos passes, jogando no contra-ataque, que não funcionava.

O Botafogo sempre chegava com perigo pelo lado direito da defesa santista, espaço em que a marcação santista era deficiente.

Em um jogo equilibrado, uma bola parada fez a diferença: em um escanteio, em falha de marcação do Santos, onde ninguém subiu para cortar de cabeça, saiu o primeiro gol do Botafogo.

No segundo tempo, o jogo continuou equilibrado.

Muito truncado no meio de campo, com muitos erros de passe e desarmes, nenhum dos times tinha criatividade para armar jogadas.

O Santos, sem armador depois da saída de Alan Patrick, tentava sair pelas laterais, com Pará e Alex Sandro, tentando impor velocidade com Richelly e Maikon Leite, que não entraram bem no jogo, perdendo muitas bolas.

Na ocasião, o Santos jogava com 3 atacantes e nenhum armador.

Muricy demorou para mexer e, no final, colocou um armador na equipe, Roger, que teve pouco tempo para mostrar seu futebol.

Muricy resumiu a partida ao final: 
- O jogo foi muito ruim. Sinceramente, não é desculpa falar de entrosamento. Tem que falar dos erros de passe, muito balão. Foi um jogo muito ruim. Do banco eu estava sofrendo, imagina o torcedor. Não pode ter desculpa. Se o adversário domina e faz o que tem que fazer, a gente deixa isso de lado, mas não pode. Esse negócio de entrosamento não quer dizer jogar um mau futebol.

O Santos iniciou a partida em um 3-5-2, que depois mudou para um 3-4-3 com dois volantes, e no final para outro 3-4-3 com só um volante.

Santos no 3-5-2 inicial:

























O Santos em um 3-4-3, após a primeira modificação:

























Santos em um 3-4-3, após a segunda modificação:

























Análises Individuais

Aranha. Foi muito bem no gol, sempre seguro, fez uma difícil defesa em chute de fora da área, além de ter saído bem em vários cruzamentos. Mostrou-se um ótimo substituto para Rafael.

Bruno Rodrigo. Muito mal no primeiro tempo e bem no segundo tempo. Apesar de ter apenas 26 anos, parece que tem 36. É muito lento, tanto em velocidade quanto em reflexos, e fez várias faltas desnecessárias  na entrada da grande área, ao melhor estilo Edu Dracena, levando um cartão amarelo.

Bruno Aguiar. O melhor do trio de zaga. Compensa sua falta de velocidade com sua garra e força física, além de estar sempre bem colocado para cortar as jogadas.

Vinícius Simon. É rápido e fez boa cobertura pelo lado esquerdo, mas fez faltas que mostraram sua inexperiência. Falhou no gol do Botafogo, pois deveria estar marcando a pessoa que fez o gol, que estava na parte esquerda da defesa, seu local de atuação. No momento do gol, marcava a mesma pessoa que Alex Sandro. Não comprometeu nem se destacou.

Pará. Sua falta de qualidade técnica chega a ser angustiante. Ele tenta, tenta, tenta, mas nada dá certo. Marcava muito mal, dando ao Botafogo a maior parte de suas jogadas ofensivas pela direita da defesa santista. Tentou subir algumas vezes, sempre sem sucesso. Se esforça, mas só isso não é suficiente.

Alex Sandro. Foi muito mal, em uma de suas piores partidas do ano. Ao contrário do Alex Sandro do jogo contra o Internacional, hoje ele sumiu. Marcou de forma razoável e pouco subiu ao ataque.

Rodrigo Possebon. Era o melhor do Santos no primeiro tempo, com excelentes desarmes, uma marcação precisa, boa cobertura aos companheiros, voltando para ajudar a defesa e distribuindo bem o jogo, tentando armar a equipe. No segundo tempo, sumiu na partida. 

Charles. Charles foi firme na marcação, mas mostrou-se muito lento, pouco subindo ao ataque. Está muito abaixo da expectativa.

Alan Patrick. Correu bastante, tentou armar jogadas, fazendo bons lançamentos para Keirrison e Tiago Alves, que não aproveitavam. Parecia em alguns momentos sem ter com quem jogar na frente. Sumiu um pouco no final do primeiro tempo. Foi substituído no intervalo, mas não merecia sair.

Tiago Alves. Se movimentou bastante mas é muito individualista, perdendo quase todas as bolas em que tentava partir para cima. Foi substituído no intervalo.

Keirrison. Jogou muito bem no primeiro tempo, ajudando bastante na marcação. Mas ainda nessa etapa teve sua única oportunidade clara de gol, que desperciçou. No segundo tempo não tocou na bola.

Richelly. Entrou no lugar de Tiago Alves, foi melhor que ele, mas não demonstrou nada de especial. Corria bastante, cruzava bolas na área e tentava jogadas com Alex Sandro, mas sem muito sucesso.

Maikon Leite. Entrou no lugar de Alan Patrick. Muito mal no jogo e perdeu quase todas as bolas que dominava. Parecia sem vontade. Talvez seja por conta do contrato com o Palmeiras.

Roger. Entrou no lugar de Charles. Não teve tempo de mostrar seu futebol.

Notas

Aranha. 7,5
Bruno Rodrigo. 5,5
Bruno Aguiar. 7
Vinícius Simon. 6
Pará. 5
Alex Sandro. 6
Rodrigo Possebon. 7
Charles. 6
Alan Patrick. 6
Tiago Alves. 5,5
Keirrison. 5
Richelly. 6
Maikon Leite. 4
Roger. sem nota

No final, a derrota não saiu tão doída para o Santos, que atuou com os reservas e terá ainda várias rodadas no Brasileiro para se recuperar, considerando estar focado agora na Libertadores, competição mais importante.









2 comentários :

  1. Este jogo foi medonho, e vc foi muito gente fina com o keirrison ao dizer que ele foi bem no 1º tempo! Sinceramente, perdi meu tempo em assistir o 1ºtempo dessa partida, ainda bem que não assisti o 2º.

    ResponderExcluir
  2. O Keirrison realmente esqueceu como se joga futebol...

    ResponderExcluir