Muricy mudou a tempo

Depois de três derrotas consecutivas e uma vitória apertada, Muricy finalmente resolveu mudar: enquadrou Santos no 3-5-2.






















Rafael, Edu Dracena, Durval, Bruno Rodrigo, Pará, Léo, Arouca, Henrique, Elano, Diogo e Borges.

O que vários torcedores santistas pediram o treinador fez.

E mais... Muricy treinou posicionamento defensivo e bolas aéreas da defesa

Mas seria esta a melhor formação para o jogo contra o Corinthians?

Para responder essa pergunta, impossível não resolver primeiro outra questão: qual o melhor meio campo do Santos?

Em enquete realizada neste blog, houve o seguinte resultado:

1) Arouca, Henrique, Ibson e Ganso (26%)
2) Adriano, Arouca, Ibson e Ganso (19%)
2) Arouca, Ibson, Elano e Ganso (19%)
3) Arouca, Henrique, Elano e Ganso (14%)
3) Adriano, Arouca, Henrique e Ganso (14%)
4) Adriano, Arouca, Elano e Ganso (7%)

Curiosamente, o meio de campo menos votado foi o campeão da Libertadores.

Ao mesmo tempo, o mais votado não continha Adriano nem Elano.

Mas amanhã o time não terá Ganso nem Adriano.

No treino dessa terça, o meio era formado por 3 volantes e um meia armador: Arouca, Henrique, Elano e Diogo.

Muricy percebeu, no jogo passado, que Ibson marca muito mal, e o preteriu por Henrique, segundo volante de ofício, bom marcador, mas ainda sem ritmo de jogo.

Além disso, a entrada de um terceiro zagueiro protege a equipe defensivamente, liberando os alas (Pará e Léo) para o ataque. 

Portanto, preparem-se para muitas jogadas pelas laterais!

Por último, o técnico percebeu que não conseguirá vencer a veloz equipe do Corinthians se não houver forte marcação no meio de campo, motivo pelo qual Ibson acabou saindo temporariamente do time titular.

Meu único medo é a falta de entrosamento, pois, para o funcionamento de determinada formação tática, precisa-se de treino, muito treino, o que o Peixe não teve.

Veremos amanhã como o time se comporta.

Estarei na Vila.

6 comentários :

  1. Detesto o esquema com três zagueiros. Fica mais fácil marcar o nosso meio campo e tampar a passagem dos laterais (lateral no nosso caso, porque o Pará não conta). Sempre nesse esquema os atacantes ficam isolados.
    É para time pequeno, para jogar no contra-ataque, fazer um gol e se fechar na retranca.
    Quem já jogou bola, mesmo na pelada, sabe que se o cara tiver o mínimo de traquejo vai para o meio.
    Só é zagueiro, na base e na várzea, quem não sabe jogar em outra posição.
    Mas me parece que vamos com o que temos, pois o Ibson saiu domingo reclamando de dores. Não foi vetado, mas não está 100%.
    O óbvio então seria o Adriano protegendo os dois zagueiros e podendo fazendo uma marcação mais "pegada", individualizada, em algum jogador de frente do Corínthians: Danilo, Alex, William ou Emerson.
    Mas aí imaginei duas situações:
    Primeira: o Adriano ainda não deve estar 100% também. E pode haver o risco de precipitar a volta e arrebentar de vez (como o Jonathan).
    Segunda: o Corínthians tem como arma principal a bola levantada na área, parada ou rolando. Murici deixou nosso sistema defensivo mais alto com o Bruno. Ainda mais com os baixinhos Adriano e Ibson a meia boca.
    Rezo para que funcione, apesar de lembrar que só jogamos com três zagueiros desde o começo na derrota para o Botafogo.
    Abraço,
    Marco

    ResponderExcluir
  2. Eu lembro da derrota para o Botafogo! Mas a equipe era diferente na ocasião, salvo engano totalmente reserva, em razão da disputa da Libertadores.

    Antes de tudo, trabalho com a hipótese de que o Corinthians jogará no contra-ataque.

    Logo, duas coisas podem acontecer no esquema santista:

    1 - O jogo ficar muito "truncado" no meio campo e a bola nunca chegar em Borges.

    2 - Léo e Pará resolverem escapar com velocidade pelas laterais, o que tornaria o time bastante ofensivo, com a contribuição de Arouca e Henrique subindo alternadamente, Elano na ponta e Diogo encostando em Borges.

    Mas uma coisa é certa: com esse esquema, será muito difícil o Santos levar mais de um gol.

    PS: lembrando que Muricy treinou na terça posicionamento defensivo em situações de bolas cruzadas (claro, um treino não resolverá, mas já é alguma coisa...)

    ResponderExcluir
  3. bom dia Alex, a formação de uma equipe depende dos atletas que estão a disposição , e tambem do adversario, o meio de campo é o pulmão da equipe , poeisso é dificil de escalar , não adianta só nomes (os medalhões), é preciso dar liga, quando um vai outro fica, um deve cobrir o outro , se um falhar o outro deve aparecer para consertar em todos os setores do campo e por isso que é coletivo e se treina o coletivo,dito isso não gosto de apontar escalação, deixo para o tecnico que tem mais competencia que os torcedores e criticos e vive o dia a dia dos jogadores. Hoje espero uma vitoria nossa . abçs.
    )

    ResponderExcluir
  4. Paulo, eu não apontei uma escalação ao acaso, mas simplesmente indiquei a que foi utilizada no treino dessa terça-feira por Muricy Ramalho, com os jogadores e formação tática. Claro que o técnico, por viver o dia-a-dia da equipe, tem mais competência para escalá-la (exceção: Adilson Batista), mas a graça é justamente discutir isso, por onde tal jogaor talvez seria mais produtivo, saber em que lado da defesa se formou um buraco, quais os pontos fracos do adversário, tudo isso é bem interessante se discutir, abraço!

    ResponderExcluir
  5. A utilização de 3 zagueiros é valida se e somente se tivermos dois laterais muito bons ofensivamente. Veja que Cicinho e Ilsinho na epoca de SP jogaram muito bem, pois tinham uma cobertura adequada.Léo, o nosso guerreiro, ainda é uma otima arma ofensiva, mas o Pará é uma tragédia e mesmo o Léo não terá ninguem para tabelar praticamente.No maximo o Borges fara a parede, pois o Diogo ainda n fez nd que justificasse sua escalação ou contratação. Preferiria jogar com mais um meia ofensivo em troca do Diogo, como o Felipe Anderson ou em ultimo caso o próprio Ibson.Será fundamental que os dois volantes tenham excelente saida de bola ou o Santos jogará encuralado. Visto que não temos nenhum velocista para acelerar a transição ao ataque.Ai que o Elano sozinho na armação será pouco, se pelo menos ele voltasse a ter atuação parecidas com a que ele teve no inicio do ano.Toda aposta é valida, ainda mais qm ta apostadando se chama Muricy Ramalho, mas em pouco tempo de jogo terá que mudar alguma coisa.Pq o Pará nunca machuca? Seria o maior reforço santista a longo prazo, pois ele pode até jogar bem 1 partida, mas joga muito mal outras 3.abraço

    ResponderExcluir
  6. O Pará é muito inseguro, tem medo de fazer as jogadas e perder a bola... eu reparo muito isso quando vou à Vila assistir os jogos.

    Elano tinha que voltar a jogar o que jogou na Seleção Brasileira no ano passado...

    E Diogo, realmente, foi uma das maiores decepções do ano. Seria bom colocar o Felipe Anderson para jogar em seu lugar, ou no mínimo deixá-lo no banco.

    ResponderExcluir