Plantel santista: qualidade x quantidade

























Muricy disse ontem, em entrevista coletiva, que o Santos possuía um plantel reduzido para a disputa do Campeonato Brasileiro.

- Quem disputa o Brasileirão sabe que vai perder jogadores. Por isso, precisa de um plantel grande e o nosso deixa a desejar em número de jogadores. Fizemos reuniões sobre isso, tinha certeza que teria dificuldade para armar o time no Brasileirão, mas agora não adianta reclamar.

Será mesmo que o Peixe deixa a desejar em número de jogadores?

Vejamos.

Para o gol, temos: Rafael, Aranha, Vladimir e o recém-promovido Gabriel (Felipe está emprestado para o Avaí-SC).

Na zaga, jogam Edu Dracena, Durval, Bruno Rodrigo, Bruno Aguiar e Vinícius Simon. (Rafael Caldeira, de 20 anos, foi emprestado hoje ao América-RN para disputa da série B do Brasileiro).

Na lateral direita o Santos conta com: Danilo, Pará, Leandro Silva e Crystian.

Na lateral esquerda há apenas um jogador: Léo (Alex Sandro foi vendido e Wesley Santos, da base, Muricy não aproveita.)

Constam cinco volantes de ofício: Arouca, Adriano, Henrique, Rodrigo Possebon e Anderson Carvalho (este último proveniente da base).

E cinco meias: P.H. Gamso. Elano, Ibson, Felipe Anderson e Roger.

Para o ataque existem sete jogadores: Neymar, Borges, Alan Kardec, Diogo, Thiago Alves, Rychely e Renan Mota (recém-promovido da base).

Diante dos dados apresentados, chegamos a duas conclusões:

Primeira - a única carência santista está na lateral esquerda, em que contamos com apenas um jogador de ofício para a função (Léo).

Segunda - não falta plantel em número de jogadores, mas sim em qualidade.

Leandro Silva, Rodrigo Possebon, Diogo, Roger e Richelly são exemplos de maus investimentos.

Se bem que Roger, segundo informado pelo jornalista Ademir Quintino, não terá seu "contrato de produtividade" renovado, após passados os três meses iniciais.

Em compensação, chegaram Borges, Ibson e Henrique, sendo que apenas o primeiro conseguiu se firmar no time titular, detendo inclusive a artilharia do Campeonato Brasileiro, com 10 gols, mesmo estando o Santos com dois jogos a menos.

Vale recordar que durante a Libertadores tínhamos um excelente lateral direito (Jonathan) e dois bons substitutos para Léo (Alex Sandro), Ganso (Alan Patrick) e Neymar (Maikon Leite).

As reposições não vieram nem próximas do nível desses atletas.

Troucou-se Jonathan por Leandro Silva, ninguém por Alex Sandro, Roger por Alan Patrick, e Richelly por Maikon Leite.

Portanto, que fique bem claro: o problema do plantel santista é de qualidade, não quantidade.



Entrevista Coletiva de Muricy Ramalho desta sexta-feira



2 comentários :

  1. Alex, muito boa a sua análise. Concordo que com exceção da lateral esquerda, todas as outras posições estão bem servidas em quantidade, mas algumas deixam a desejar em qualidade.

    ResponderExcluir
  2. Exatamente, e as covocações para a Seleção fazem Muricy pensar que tem um elenco reduzido..

    ResponderExcluir