Santos 1 x 1 São Paulo

Com imensa falta de criatividade, o Santos empata na Vila.

























No primeiro tempo só deu Santos. Mas, mesmo com o domínio do jogo, o time da Vila chutou apenas uma vez ao gol, em cobrança de falta de Neymar. Faltava criatividade ao meio campo santista, que apenas tocava a bola, sem armar nenhuma jogada, em um marasmo sem fim. A expulsão de Carlinhos Paraíba, aos 30 minutos, em nada alterou a postura do meio do Santos, apesar da entrada de Felipe Anderson no lugar de Adriano, com cartão amarelo. No final da etapa, em bela jogada individual de Lucas - que escancarou ao mundo a lentidão de Edu Dracena -, sairia o primeiro gol do São Paulo.

No segundo tempo, novamente, só deu Santos, mas com uma ressalva: o São Paulo levava perigo, e muito, nos contra-ataques. O Peixe detinha mais posse de bola, virando um verdadeiro ataque contra defesa - os 10 do Santos no campo do São Paulo e os 9 da equipe paulistana se segurando. Mas, repito, a falta de criatividade do meio santista e a péssima atuação de Felipe Anderson acabavam afunilando as jogadas pela lateral esquerda, em Léo, fazendo com que as melhores chances santistas fossem de bolas paradas, cruzadas, ou chutadas de longa distância. E, no final da partida, após passe de Alan Kardec, Ganso acertou um lindo chute, selando o resultado do confronto: 1 x 1.

Estatísticas da Partida

O Santos finalizou mais (20-5), errou mais passes que o São Paulo justamente por se postar no ataque (32-10), cometeu mais faltas (26-19), roubou mais bolas (16-14), e não teve nenhum jogador impedido durante todo o jogo.

Ganso (3 chutes), Neymar (4 chutes) e Borges (5 chutes) foram os que mais finalizaram, enquanto Léo e Ganso foram os jogadores que mais erraram passes (5 cada). Os jogadores Léo (4 faltas), Borges (4 faltas) e Neymar (5 faltas) foram os mais faltosos, e Ganso (5 roubadas) e Danilo (6 roubadas) se notabiliaram como os maiores ladrões de bola.


Tabela

Com o resultado, o Santos se manteve invicto contra o São Paulo no ano: duas vitórias e um empate. Além disso, segue em uma sequência boa contra o time da capital, com 7 vitórias, 1 empate e 1 derrota nos últimos nove jogos.

Terminado o primeiro turno do Campeonato Brasileiro, permanece o Peixe na 14ª posição, com 6 vitórias, 4 empates e 8 derrotas, 23 gols marcados e 28 sofridos (saldo de -5), totalizando um aproveitamento de 40,7%, ainda com um jogo a menos (contra o Grêmio, no Olímpico).


O jogo

Com Arouca e Elano lesionados, o Santos entrou em campo em um 4-3-1-2 um pouco modificado:























Que mudou para um 4-2-2-2 com a entrada de Felipe Anderson.























E terminou em um 4-1-2-3 após Alan Kardec entrar no lugar de Pará.























Análises Individuais

Rafael. Corajoso, salvou o time de dois gols certos no segundo tempo. Ótima atuação.

Edu Dracena. Mostra que ganha bem pelo alto, mas perde fácil quando a bola está no chão. Hoje, levou um drible da vaca de Lucas e ficou parado, estático, sem velocidade para retomar a marcação. Pouco atuou com o time no ataque.

Durval. Sempre falha menos que Edu Dracena, e hoje fez uma partida mediana, tanto pelo alto como pelo chão. Mas, infelizmente, é um defensor lento, motivo por que o Santos quase levou dois gols em contra-ataques.

Pará. Não comprometeu, mas bem que poderia ter tirado do gol aquela bola do chute de Lucas...

Léo. Excelente atuação. Pelo lado esquerdo, Léo era um dos poucos que tentava armar jogadas de ataque na equipe santista. Com total falta de criação pelo meio e pelo lado direito, o baixinho da Vila sempre era acionado, e tentava correr no auge de seus 35 anos de idade. Haja fôlego!

Adriano. Estava bem na partida até ser substituído. Bom na marcação, mas apenas regular com a bola nos pés.

Henrique. Ainda confuso no posicionamento, falhando na marcação e ineficiente com a bola. Precisa se adaptar o quanto antes. Sofre sério risco de perder a posição para Ibson, quando este retornar.

Danilo. Ótimo no desarme, razoável na marcação e perigoso no ataque. Fez uma boa partida, mostrando muita disposição e velocidade, caindo bem pelo lado direito. Mas enquanto o lado esquerdo conta com Léo e Neymar, no setor esquerdo há apenas Danilo... e mais ninguém.

P.H. Ganso. Tem mostrado mais disposição jogo a jogo, mesmo sem ter mostrado excelente atuação na partida de hoje. Distribuiu o jogo no meio campo com apenas passes laterais. Tentou, por algumas vezes, o que seriam excelentes lançamentos, na maioria das vezes cortados ou mal aproveitados pelos atacantes santistas. Ganso precisa de companheiros com velocidade à sua volta, o que encontra com Neymar, Léo e Danilo, mas não com Borges. Eis o motivo porque toda as jogadas acabam afunilando na lateral esquerda. No final, pegou bem na bola, fazendo um golaço, após passe de Alan Kardec.

Neymar. Esteve apagado, bem marcado pelo lateral direito Ivan Piris. Ele, juntamente com Léo, muito tentaram mas pouco criaram pela lateral esquerda. Mas vale lembrar aqui uma jogada do garoto: em arrancada espetacular pela esquerda, driblou dois são-paulinos e chutou colocado, mas a bola foi desviada por um zagueiro.

Borges. As únicas oportunidades que teve foram em bolas chutadas para fora e em uma cabeçada. Volto a repitir: a característica da equipe santista muda com a entrada de Borges, pois perdemos a velocidade e a onipresença de Zé Eduardo para dar lugar a um jogador lento e pouco participativo, mas que marca muitos gols (é o artilheiro do campeonato com 12 gols).


Felipe Anderson. Entrou muito mal. Errou passes e perdeu divididas bobas. Isolado pelo lado direito, sem buscar jogo, ficou sem função em campo. Todos temos muita esperança nesse jovem, mas hoje tenho de admitir que fez uma péssima partida.

Alan Kardec. Apesar de entrar no final, ajudou a empurrar a defesa são-paulina para a linha de fundo, facilitando as jogadas de ataque santistas. Deu passe para o gol de Ganso. Novamente, outra partida em que entra bem.


Muricy Ramalho. Acertou Muricy com a entrada de Felipe Anderson, mas ninguém esperava que ele fosse jogar tão mal. Também mexeu bem o técnico ao retirar Pará para a entrada de Alan Kardec, posicionando Danilo na lateral direita, dando mais ofensividade à equipe, apesar de deixá-la mais vulnerável aos contra-ataques.


Notas

Rafael. 8
Edu Dracena. 4
Durval. 5
Pará. 5,5
Léo. 6,5
Adriano. 6
Henrique. 5
Danilo. 6,5
P.H. Ganso. 6
Neymar. 5,5
Borges. 5

Felipe Anderson. 2
Alan Kardec. 6,5

Muricy Ramalho. 8


Richelly teve seu contrato rescindido

O atacante, não aproveitado na equipe principal, rescindiu seu contrato com o Santos, sendo contratado e anunciado no mesmo dia pelo Vitória-BA.

Melhores momentos do jogo na Vila:

2 comentários :

  1. reinaldo fernandes29 de agosto de 2011 21:59

    O que me estranha um pouco é ver um time que precisa ganhar, está jogando em casa, com um jogador a mais, consegue empatar o jogo faltando uns 10 minutos para acabar e ao invès de pegar a bola rápidamente e levar para o centro de campo para reiniciar o jogo, fica fazendo dançinha. O São Paulo adorou.
    Já estou começando a ficar muito preocupado com a saída do Danilo. Hoje se constitue na peça mais importante no time do Santos, principalmente quando se fala em jogar com seriedade e vontade.

    ResponderExcluir
  2. Reinaldo: verdade, Danilo fará muita falta. Ouvi hoje algum comentário dizendo que só pela presença de Danilo o time passou a correr mais. Fato.

    ResponderExcluir