Santos 2 x 1 Fluminense

O Peixe vence mais uma, se afasta da zona de rebaixamento e recupera a confiança.

Foto: Agência Estado




















Evoluindo a cada jogo, a equipe mostra que deu a volta por cima.

O primeiro tempo foi bastante movimentado, com chances para ambos os lados, mas com muita pressão do time da casa. E embalado por jogar em casa o gol não demorou a sair: e justamente em uma bola parada, dos pés de Elano para a cabeçada magistral de Borges. Mas o Fluminense também mostrou sua arma nas bolas paradas: Rafael Moura. O grandalhão de 1,89 m, subiu mais alto que a zaga santista e decretou o empate, em outra bola parada, de forma bem parecida ao primeiro gol santista.

No segundo tempo o que os 6.855 torcedores pagantes presenciaram foi um ataque contra defesa. O do Fluminense contra o do Santos. Mas o Peixe soube se segurar, com direito a bola tirada milagrosamente por Danilo em baixo da trave e defesa sensacional de Rafael. A saída de Elano e Ganso para a entrada de Adriano e Bruno Aguiar foram fundamentais para segurar o resultado de hoje, o que também explica o fraco rendimento de Neymar, Borges e Alan Kardec no final do jogo.

Formação tática

Muricy optou pela mesma formação utilizada nos outros jogos, o 4-3-1-2, mas com uma modificação: Arouca, ao invés de atuar como volante central, atuou na maneira que mais rende, na função de segundo volante. Mérito de Muricy.
























Com a entrada de Adriano e Bruno Aguiar, o Santos ficou literalmente em um 5-3-2:


Análises Individuais

Rafael. Transmitiu segurança aos jogadores, além de ter realizado grandes defesas no segundo tempo, garantindo a vitória. Mas, talvez por conta de sua baixa estatura para um goleiro (1,86), ainda tem bastante dificuldade nas bolas cruzadas.

Edu Dracena. Muito bem hoje na marcação, além de ter ganho todas pelo alto.

Durval. Também foi outro leão na marcação, sempre superior a Dracena. Mas insisto: ambos são zagueiros lentos, e por conta disso não conseguem acompanhar jogadas de toque de bola rápido.

Danilo. Foi o melhor jogador do Peixe, na minha visão. Salvou um gol em cima da linha, ganhou todas as divididas na direita, marcou muito bem e apoiou magnificamente. Guardou fôlego até para tentar no segundo tempo algumas investidas ao ataque, sem sucesso. Fez um jogão.

Léo. No primeiro tempo, corre, marca e apoia. No segundo tempo, cansa, e faz com que a equipe adversária explore o ponto fraco do Santos, o lado esquerdo de sua defesa nos segundos tempos... e foi o que o Fluminense fez, em jogada que por pouco não selou o empate na Vila.

Henrique. Hoje atuou como primeiro volante mas foi muito mal, tanto no primeiro como no segundo tempo. Corta de forma eficiente as bolas pelo alto, mas pelo chão perdeu todas as corridas com os jogadores adversários. E, com a bola nos pés, ainda está devendo qualidade.

Arouca. O antônimo de Henrique. Um monstro em campo: correu demais, marcou demais, e iniciou a jogada do segundo gol santista, em incrível arrancada. Que Arouca nunca mais jogue de primeiro volante, e permaneça onde está! Hoje teve coragem e personalidade para partir pra cima com a bola dominada. Excelente jogo.

Elano. Infelimente, transformou-se em um Marcos Assunção santista. Ele simplesmente não joga. Não marca, não corre e não se apresenta no ataque. O que fez ontem? Cobrou faltas, escanteios e lançou algumas bolas, dentre elas uma assistência para o gol de Borges... muito pouco para um jogador do qual uma equipe precisa os 90 minutos em campo.

P. H. Ganso. Deu sinais hoje de que está voltando à sua forma física de antes da lesão. No primeiro tempo, participou ativamente do jogo, distribuiu passes, se apresentou, sofreu faltas e chutou no gol. Até correu para ajudar na marcação! No segundo tempo o time inteiro caiu de produção, sem exceções a ele. No entanto, mudou sua postura: não se escondeu em campo. Continue assim.

Neymar. Mesmo sem fazer uma de suas melhores apresentações, os dois chapéus seguidos no jogador carioca já valeram o ingresso. Neymar jogou bem, fez sua parte. Na primeira etapa tentava algumas jogadas com Léo, mas era pouco. Mas retornava para marcar o adversário. No segundo tempo sumiu, pois a bola não chegava. Em determinada jogada, foi muito mal, ao chutar muito fraco, facilitando a defesa do goleiro. Mas no final foi esperto e segurou o jogo, mostrando maturidade.

Borges. Com excelente posicionamento dentro da grande área, marcou dois gols e selou a vitória do Santos. No entanto, Borges, apesar de ser um grande goleador, modifica um pouco a característica santista, fazendo o rendimento de Neymar cair. Explico: antes, Neymar atuava junto a um jogador veloz, mas de péssima finalização (Zé Eduardo), o que, ironicamente, facilitava o estilo de jogar do garoto. Com Borges, Neymar joga isolado na ponta esquerda e acaba por ficar sem opções de jogo, uma vez que o atual atacante fica mais enfiado na área, sem se apresentar muito para o jogo. Uma opção para melhorar esse aspecto seria colocar Neymar para jogar como um segundo atacante, pouco atrás de Borges, e não mais na função de ponta esquerda.


Adriano. Entrou bastante desentrosado com a equipe, mas foi fundamental nos últimos minutos, com sua mistura de raça e velocidade.

Bruno Aguiar. Permaneceu pouco tempo em campo, mas ajudou a embolar a defesa, dificultando ainda mais as jogadas de ataque do Fluminense.

Alan Kardec. Entrou no lugar de Borges, mas como o Peixe se postava todo na defesa, a bola não chegou nele.


Muriry Ramalho. Foi muito bem na escalação, ao realocar Arouca para a função de segundo volante, testando o até agora fraco Henrique como primeiro volante, além de ter segurado o jogo com as entradas de Adriano e Bruno Aguiar no lugar dos cansados Elano e Ganso.


Notas

Rafael. 6,5
Edu Dracena. 7
Durval. 7,5
Danilo. 8,5
Léo. 5,5
Henrique. 4,5
Arouca. 8
Elano. 4
P.H. Ganso. 6
Neymar. 6,5
Borges. 7,5

Adriano. 5,5
Bruno Aguiar. 5
Alan Kardec. 5



Veja os melhores momentos da partida


4 comentários :

  1. Com relação ao Neymar jogar mais isolado,o time do São Paulo costuma deixar os alas e os pontas mais isolados para cruzarem a bola aos atacantes.O Santos já trabalha o passe e o pivô na lateral do ataque onde as vezes o Borges aparece por alí (vide gol do Fla)Um abração.Tenho assistido alguns jogos do São Paulo e vamos ter problemas. Estou lá no lrsantista.blogspot.com Parabéns pela análise , está muito parecida com a minha.Juro que não copiei.

    ResponderExcluir
  2. Significa apenas que assitimos ao mesmo jogo! Abraço!

    ResponderExcluir
  3. Reinaldo Fernandes25 de agosto de 2011 23:01

    Boa noite Alex, também achei seus comentários com muita propriedade, principalmente com relação ao Danilo e ao Arouca, juntos com Neymar e Borges formas as principais peças do Santos, que no passado incluíamos o Ganso. Único detalhe só que você falou e não concordei muito foi que o Dracena foi perfeito e ganhou todas por cima...menos no gol do He Man, onde era o Dracena que estava marcando o Rafael Moura, é só um detalhe. Agora vamos para cima do São Paulo.

    ResponderExcluir
  4. Ops, falha minha quanto ao Dracena. Abs Reinaldo!

    ResponderExcluir