Fluminense 3 x 2 Santos

























O dia em que o Santos mostrou que não merece o título brasileiro.

Fim da linha.

É assim que me sinto hoje, totalmente sem esperança em relação ao atual time do Santos.

Hoje, contra o Fluminense, jogando fora de casa, a equipe da Vila jogou como time pequeno: se fechou, esperou contra-ataques, e atuou sem qualidade, com a honrosa exceção de Neymar.

A falta de Léo foi muito sentida. Éder Lima não deu conta do recado.

Sem muito o que comentar, fica aqui apenas a demonstração de uma grande decepção e a realidade batendo de frente: o Santos não briga mais pelo título.


Análises Individuais

Rafael. Excelente, pegou tudo o que pôde, fazendo grandes defesas. Seria imbatível se contasse com uma zaga no mínimo decente.

Edu Dracena e Durval. Não tiveram culpa no primeiro gol (ser lento é carregar um fardo de culpa?), nem no segundo (pois no Santos ninguém marca sob pressão), mas muita, muita culpa no terceiro, em que ninguém subiu para cabecear. Que saudade do Alex...

Danilo. Pouco jogou e pouco fez. Saiu pois estava com dor de garganta (?)

Éder Lima. Foi contratado para jogar como lateral esquerdo. Mas ninguém lembrou que sua posição de origem é de zagueiro. Portanto, como zagueiro improvisado na lateral esquerda, foi muito mal. Não apoiou e marcou mal. Poderia ser testado no lugar da nossa lentíssima dupla de zaga.

Arouca. Bem no primeiro tempo e mal no segundo. Piorou muito na marcação, assim como o resto da equipe, mas suas subidas ao ataque continuam sendo importantes.

Henrique. Ainda não mostrou a que veio. Cadê sua qualidade da época do Cruzeiro? Não corre, não acompanha jogadas, é lento na marcação (sempre terminando em faltas). E não apoia no ataque!

Elano. Lamentável seu futebol. Volta de lesão, mas e daí? Lento demais, contribuiu imensamente para o primeiro gol do Fluminense com sua desatenção, em uma bola que resvalou em sua canela, erro passes infantis, não corre, atrapalha toda a equipe com sua inércia e não acerta uma falta. É jogador para entrar no segundo tempo, somente, ou ainda para ser revendido. Do jeito que está ninguém suporta mais.

Alan Kardec. Foi bem no primeiro tempo, com bastante movimentação, mas parou no bem armado Fluminense. No segundo tempo pouco fez.

Neymar. Um monstro em campo. O único santista realmente a fim de jogar. Fica cada vez mais nítida aos olhos de todo o Brasil a dependência do Santos por Neymar. Se ele for vendido, o Peixe vai sofrer, e muito.

Borges. Deram-lhe uma oportunidade, em passe de Alan Kardec, mas ele chutou para fora. Tirando isso, não jogou nada.


Adriano. Segurou bem a lateral esquerda, impedindo as jogadas que eram feitas insistentemente por aquele lado, forçando o Fluminense a migrar seu ataque para o lado direito da defesa santista, onde estava o fraco Éder Lima. Com Pará machucado e Danilo gripado, a improvisação de Adriano era o certo a se fazer.

Ibson. Jogou por pouco tempo e igualmente pouco fez.

Renteria. Entrou e marcou o seu, terminando com uma boa estreia.


Muricy Ramalho. Terá de rever seus conceitos.

Primeiro reconhecer a fragilidade da defesa santista, provocada pela lentidão da pesada dupla Dracena e Durval, devendo testar o bom Bruno Aguiar no setor.

Segundo, também reconhecer que Éder Lima é zagueiro e não lateral, apesar de forçosamente contratado para essa função, e com isso deverá tentar arrumar outro jogador para a reserva lateral esquerda, como, por exemplo, Adriano.

Terceiro, perceber o fato de Henrique, Ibson e Elano não estarem rendendo nada, e ter a coragem de colocar os 3 no banco de reservas. Em seus lugares, poderiam atuar Adriano e Arouca, somente dois volantes, com Felipe Anderson ocupando o lugar do paralítico Elano.

E, por último, mudar o posicionamento de Neymar e Borges. Antes, durante a Libertadores, Zé Eduardo, apesar de não ser o melhor jogador do mundo, era veloz, e tabelava constantemente com Neymar pelo lado esquerdo do campo. Hoje Neymar joga sozinho, literalmente. Borges permanece enfiado na área esperando a bola. Alguém precisa se apresentar para tabelar e jogar com a joia santista. Felipe Anderson seria uma boa pedida, ou mesmo Renteria, mantendo-se Borges em campo, enfiado, marcando gols.

Essa situação (Neymar jogando sozinho) vem se repetindo a muitos jogos... desde a vitória contra o América-MG, passando pela derrota contra o Figueirense, e chegando à nova derrota de hoje.


Notas

Rafael. 7
Edu Dracena. 3
Durval. 3
Éder Lima. 3,5
Danilo. 4
Arouca. 5
Henrique. 3
Elano. 2
Alan Kardec. 5,5
Borges. 4
Neymar. 9

Muricy Ramalho. 4

3 comentários :

  1. Reinaldo Fernandes1 de outubro de 2011 21:39

    Que decepção. É bem aquilo que você escreveu. O Elano começou dando o passe para o Fred preparar a jogado do gol; o Eder Lima realmente não pode jogar de lateral, pois pega a bola e não sabe o que fazer com ela e no final, na bola em que o Durval já estava fazendo cobertura, chegou todo apavorado, chutando tudo, deu o escanteio para o Fluminense e daí o gol. O Santos tem hora que é muito ingênuo, o goleiro ficou aproximadamente 6 minutos nas duas paralizações e o Santos nada reclamou; depois com o empate, aos 50 minutos, porque não ficaram na frente da bola na hora do escanteio, com certeza, quebraria o impeto do Fluminense naquele momento, aliás, começou com uma falta que foi cobrada pelo menos uns 10 a 20 metros de onde realmente ela "aconteceu", pois nem falta foi e o jogadores aceitavam tudo, falta um lider para por ordem na casa. Realmente, jogamos a toalha e hoje achei que no geral o Santos estava jogando bem, só não soube aproveitar as oportunidades criadas. Você não escreveu mais eu daria uma nota 7 para o Adriano, acho que jogou bem e estou botando muita fé no Renteria.

    ResponderExcluir
  2. Daria um 6,5 para o Adriano, por ter exercido muito bem a função de lateral esquerdo, impedindo ataques por aquele setor. Ele, e não Éder Lima, precisa ser testado como verdadeiro reserva da lateral esquerda.

    Isso que me deu raiva: a apatia dos jogadores, a falta de liderança, a inércia em determinados momentos, concentradas nas figuras dos veteranos Edu Dracena e Elano.

    Pior que se eu falar ninguém acredita... o Santos ainda tem chances matematicamente de conseguir o título... bastam "só" 9 vitórias e 4 empates, sem nenhuma derrota, para repetirmos a campanha do Flamengo no ano em que ele foi campeão.

    Ou ainda 10 vitórias, 2 empates e 1 derrotas.

    Ou 11 vitórias, com direito a 2 derrotas.

    Mas psicologicamente acabou hoje a vontade de conquistar o título...

    ResponderExcluir