Por quê a torcida santista não comparece à Vila Belmiro?

























Presenciamos por diversas vezes nesse Campeonato Brasileiro um fato estranho: o Santos tem lotado estádios por onde passa, menos quando joga em casa, diante de sua própria torcida.

Em 2011, o Santos bateu o recorde de público dos jogos do Atlético Paranaense, em Curitiba, com 20.461 espectadores.

Contra o Bahia, em Pituaçu, novo recorde: 36.740 pagantes.

Nas últimas partidas fora de casa, contra o América-MG e Fluminense, casa cheia.

Mas quando o mando é do Santos?

O torcedor santista simplesmente não comparece.

E afaste-se desde já a alegação de que o Santos "não tem torcida": lembremos dos grandes públicos do ano passado, naquele time do primeiro semestre, além do fato do Flamengo, mesmo sendo o time com mais torcida no Brasil, figurar apenas em 8º lugar no ranking de comparecimento aos estádios. Ou seja, quantidade de torcedores não é igual a quantidade de torcedores que comparecem ao estádio.

Mas então qual o real motivo para o afastamento da torcida do Santos?

Na minha opinião, a falta de interesse do torcedor pelo atual futebol apresentado pela equipe.

Muricy, querendo ou não, mudou o alegado "DNA ofensivo" do Santos.

Que agora virou "DNA defensivo".

O Peixe só joga nos contra-ataques, não propõe o jogo, e em consequência suas partidas ficam desinteressantes.

A expectativa do torcedor santista era alta, considerando a brilhante campanha do primeiro semestre de 2010, e aquela fantástica equipe, que dava show e encantava.

Hoje não é mais assim.

Com Muricy, o time santista joga na retranca, esperando uma oportunidade de contra-ataque para matar o jogo.

Ou ainda um escanteio, um cruzamento, uma bola respingada na área...

Ou... a genialidade de Neymar.

Com a exceção honrosa da joia santista, as partidas do Santos ficaram muito chatas de assistir.

O Santos de Muricy é o perfeito exemplo da vitória do pragmatismo sobre o futebol arte.

Da defesa sobre o ataque, do individual sobre o coletivo, da sorte sobre a competência, da eficiência sobre a plasticidade, enfim... da vitória a qualquer custo.

O Santos, mesmo com a conquista das Libertadores e com as vitórias, não encanta mais.

Essa é a verdade.

Ou alguém lembra da última goleada praticada pelo Santos na era Muricy?

Pois é torcedor, você não lembra porque simplesmente NÃO EXISTIU.

Desde o dia 10 de Abril, quando Muricy assumiu o Santos, o time não venceu ninguém por mais de 2 gols de diferença.

Ninguém.

Foram 41 jogos desde então.

Há 41 partidas o santista não sente o gostinho de ver seu time golear.

E esse fator, na minha opinião, é o principal motivo do afastamento da torcida santista, acostumada a ver o time "jogar bonito".

Esse é o motivo que torna a média de público santista apenas a 27ª maior do Brasil, com 7.771 torcedores pagantes.

Superado vergonhosamente por equipes da série B, tais como Náutico, Vitória, Goiás e Barueri.

E ainda por times da C, como Joinville, Fortaleza e Paysandu.

Sem contar o Itumbiara, da série D...

O levantamento abaixo foi feito pelo blog do rbrito.


8 comentários :

  1. Alex, discordo de vc, meu caro: a torcida do Santos sempre decepciona...eu sempre me revoltei...desde 2003: olhava o Santos disputando Libertadores, com Diego e Robinho, um p...de um timaço e...a Vila vazia. Hoje com Neymar e Cia bela, ganhando tudo e o público não comparece...Fico envergonhado!!! ASS.: levi

    ResponderExcluir
  2. Tanbém discordo , o Levi me parece ester com a razāo , Alex. Aliás, aproveito para te parabenizar pelo Blog, é o primeiro que leio apos os jogs do Santos!

    ResponderExcluir
  3. Reinaldo Fernandes3 de outubro de 2011 16:46

    Enquanto os jogos do Santos forem mandados na Vila, realmente a média vai continuar sendo baixa até porque a maioria dos santistas estão aqui em cima. Ir na baixada, além de correr risco de não conseguir ingresso pois o estádio é relativamente pequeno para ter públicos espetaculares, você ainda ter que pagar um pedágio alto, além de ser o carro o único veículo mais fácil para lá chegar. Por exemplo, não se pode planejar uma grande festa na Vila como o São Paulo fêz ultimamente pois não há capacidade para um grande público.Resumindo, ou o Santos começa a mandar boa parte do jogos aqui no Pcaembú, ou constrói um estádio como foi falado no passado aqui em cima (Diadema) ou vai ser sempre esta média. É só lembrar os jogos do Santos pela Libertadores, mais de 30 expectadores. Um detalhe também é que o Santos através de seu depto. de promoções, têm que buscar alternativas para encher estádio com o São Paulo está fazendo. "50 anos de Morumbi; Milésima partida do Rogerio Ceni; Chegado do Luiz Fabiano; Estréia do Luiz Fabiano; etc, etc....". Daqui a pouco eles vão fazer um jogo promocional do tipo " Saída do Dagoberto para o Santos" e vão ganhar mais um monte de grana.

    ResponderExcluir
  4. Reinaldo

    Verdade! Faltam aquelas boas e velhas promoções do ano passado. Do tipo: mulher paga meia e criança não paga. Ou até mesmo ser lançada uma campanha: vamos encher a Vila. Será que até no Centenário do clube será assim?

    Levi e Jarbas

    É preciso lembrar que quando o Santos voltou da Libertadores, a sua primeira partida foi contra o Flamengo, à época líder do campeonato.

    E o que aconteceu? Vila lotada e um jogaço.

    Agora, com esse time desfalcado e cada vez mais desacreditado pelo torcedor santista, com as fracas atuações de Ganso e Elano, a equipe não empolga mais, salvo Neymar.

    A torcida santista viveu seu apogeu logo após a era Pelé. Era considerada a maior, ou no mínimo a segunda maior, do estado de São Paulo. E lotava todos os estádios. Isso quem diz é o jornalista santista e historiador Odir Cunha.

    Mas veio a decadência... 30 anos sem o título brasileiro... a torcida "sumiu" e foi voltando aos poucos com a geração de Robinho e Diego (eu assisti vários jogos naquela época, era só show de um timaço).

    Eu era radicalmente contra mandar os jogos do Santos para São Paulo. Agora, vejo diferente. Isso é necessário. Se não for feito, ao menos de forma alternada, o Santos corre o risco de voltar a ser um time de pequena importância no quesito torcida (apesar dos títulos).

    ResponderExcluir
  5. Eu, como Paulistano, não me conformo que em 2003, um Santos de Robinho e Diego (mais Alex, Léo, Maurinho, Renato e Elano) recém-campeão brasileiro, jogando Paulista e Libertadores na Vila para média de 3 mil pessoas. Fui ao primeiro jogo do Paulista contra o Juventus (1x0, gol de Elano): se não me engano o jogo foi no Pacaembu porque o mando era do Juventus. A fila estava gigantesca e eu só consegui entrar no meio do primeiro tempo, e já estava 1 a 0.

    ResponderExcluir
  6. Também não entendo Paulo. Infelizmente a torcida santista tem decepcionado demais.

    ResponderExcluir
  7. Não opinião, tudo isso é ligado ao poder das torcidas organizadas do Santos, ao preço do ingresso ser alto (deveriam lançar descontos para que o torcedor volte a comparecer), lembrando que os flanelinhas na vila encarassem mais um pouco o valor gasto pelo torcedor que desce a serra!
    Além da instalação de novos Setores que ao invés que buscar o conforto dos torcedores, visa somente o lucro!!

    ResponderExcluir
  8. Pois é... o setor Visa realmente diminuiu muito o poder de "Caldeirão" que a Vila Belmiro tinha antigamente. Eu, particularmente, preferia a volta do alambrado, e já li notícias de que a diretoria do Santos no final do ano deve rescindir o contrato com a Visa, firmado por Marcelo Teixeira, e colocar de volta o alambrado. Assim espero.

    Mas há um único lado bom no setor Visa: torcedores que moram fora de Santos podem conseguir seus ingressos com mais facilidade, pela internet.

    Esse serviço (compra de ingressos pela internet) deveria ser estendido para todos os outros setores, pois, além de evitar a compra por cambistas, possibilitaria a compra de ingressos por torcedores do Santos por todo o Brasil.

    ResponderExcluir