Santos 2 x 1 Mirassol



O jogo começou devagar.

O Santos marcava mal e subestimava o Mirassol.

Felipe Anderson atacava pela direita, Patito pela esquerda, mas não voltavam para marcar, deixando sempre exposta a zaga santista, obrigando a equipe a marcar com apenas 6 jogadores.

Miralles estava estático, sem movimentação, e perdia a melhor chance do jogo, em passe de Felipe Anderson,

Essa é a razão pela qual se viram tantas finalizações do Mirassol, que, por falta de competência de seus jogadores, não foram convertidas em gols.

Aos 19, o ex-santista Tiago Luís chutou perigosamente e Rafael desviou com a ponta dos dedos para fora.

No escanteio gerado pela jogada sairia o primeiro gol do Mirassol, em uma falha bisonha da defesa santista, que deixou livre na pequena área um jogador da equipe adversária, que empurraria a bola para o gol. Esse gol pode colocar na conta do Muricy...

Após uma atuação coletivamente desastrosa da equipe santista, um escanteio garantiu o empate, 20 minutos depois, cobrado por Felipe Anderson e convertido por Giva (seu primeiro gol nos profissionais!).

Os únicos destaques eram Giva e Renê Júnior.

Durante o jogo, o Peixe adotava o 4-4-2, na seguinte forma:






















 No sonolento segundo tempo, Giva, o único que se destacava, ao lado de Renê Júnior, marcou o gol da vitória santista, em jogada criada por ele próprio, em um lance de possível impedimento, mas puramente interpretativo.

Aos 34, sai Miralles, que nada fez, para a entrada de André, que poderia fazer algo, mas não fez.

Giva, o herói da vitória santista, saiu com cãibras aos 39, para a entrada do estreante Neílton.

Aos 40, Felipe Anderson, após fazer falta, colocou o corpo na frente, impedindo a cobrança, e recebeu o segundo cartão amarelo, sendo infantilmente expulso.

Um minuto depois, Patito Rodríguez deu uma entrada de carrinho violentíssima, sendo corretamente expulso com o vermelho direto.

Os dois meias decepcionaram... e como!

Um jogo coletivamente medíocre do Peixe, digno das vaias ouvidas na Vila Belmiro.

Mais uma vez veio a vitória, aos trancos e barrancos, que deixou o Santos na segunda posição do Campeonato Paulista.

















Notas

Rafael - 4 - espalmou muitas bolas nos pés dos atacantes, não sobe para cortar cruzamentos e continua repondo a bola de forma péssima.
Edu Dracena - 4,5 - atuação segura quanto às linhas de impedimento, mas com destaque para a falha geral no primeiro gol.
Durval - 4,5 - idem ao Dracena.
Bruno Peres - 3,5 - bem nas linhas de impedimento, mas péssimo defensivamente e ofensivamente.
Léo - 3,5 - sem fôlego para aguentar os 90 minutos.
Renê Júnior - 6,5 - a salvação da defesa santista. Além de Giva, o único com vontade de jogar.
Arouca - 4 - não foi visto no jogo.
Felipe Anderson - 2 - atuação horrível, não aproveitou a oportunidade e acabou expulso, em um lance infantil.
Patito Rodríguez - 3 - melhor que o Felipe, mas escorrega demais, não consegue concluir uma jogada,  erra muitos passes, e quase atrapalhou o gol de Giva; acabou por jogar fora a oportunidade ao ser corretamente expulso.
Giva - 8 - o único elemento existente no ataque santista. Fez os dois gols do jogo em jogadas individuais, de vontade, tanto no primeiro gol, ao subir mais alto que o zagueiro adversário, quanto no segundo, ao não desistir da bola rebatida.
Miralles - 2,5 - não foi visto em campo, movimentou-se muito pouco, e perdeu a melhor oportunidade da partida.

André - sem nota.
Neílton - sem nota.

Muricy Ramalho - 3 - a culpa pelo primeiro gol do Mirassol deve ser dividida entre a defesa santista e Muricy, pois essa é uma jogada típica de treinamentos; além disso, demorou para tirar Miralles de campo, além de não conseguir manter um padrão tático da equipe sem Neymar. Para esse jogo, poderia ter utilizado os jovens Leandrinho, Alan Santos, Lucas Otávio ou Pedro Castro, mas não o fez.

Melhores momentos de Santos 2 x 1 Mirassol