Reforços na série B

jogadores da série B















O portal Lance!Net preparou uma lista de jogadores que têm se destacado na série B.

Algum deles serviria para o Peixe?

Yago, Rodriguinho, Athos e Bruno Rangel me parecem bons nomes!

Reproduzo abaixo na íntegra a reportagem do portal:

GOLEIROS:

Matheus (América-MG): Com apenas 21 anos, Matheus é uma das grandes promessas do Coelho. O arqueiro alia reflexos rápidos à bom posicionamento, e é um dos destaques do time mineiro. Com média de 4 defesas difíceis por partida, segundo números da parceria LANCE!/FOOTSTATS, o jovem é um dos responsáveis pela campanha do clube, que briga por vaga no G4.

Tiago Volpi (Figueirense): Nascido em 1990, e com 1,90m de altura, o jogador é um dos grandes nomes do Figueirense na Segundona. Com muita elasticidade, Volpi tem sido fundamental debaixo das balizas dos catarinenses. O atleta brilhou na partida contra o Botafogo - vice-líder da Série A - pela Copa do Brasil, quando defendeu dois pênaltis. Apesar de sua prestação, o Furacão foi eliminado.


DEFENSORES:

Roniery (Paraná): Com muita velocidade, o lateral direito do Tricolor parece ser incansável em campo. Apoia e defende com a mesma eficiência, sendo o jogador que mais sofreu faltas na competição. É o motor do time.

Yago Pikachu (Paysandu): Apesar do apelido engraçado, herdado do mais famoso dos Pokémons, Yago não é, nem de perto, um lateral estático. Um dos líderes de passes para gol no campeonato - com cinco assistências -, o atleta explora com habilidade o flanco direito, e também gosta de arriscar seus chutes de fora da área.
Yago Picachu
Yago Picachu, jogador do Paysandu

Brinner (Paraná): Zagueiro forte e jovem, Brinner é famoso entre os torcedores botafoguenses, e podemos dizer que sua avaliação entre os fãs do Glorioso não é das melhores. Entretanto, o zagueiro apresenta alguns dos melhores índices entre os zagueiros da Segunda Divisão, e joga na defesa menos vazada da competição, com apenas oito gols sofridos.

MEIAS:

Andrei (América-MG): Um volante, que à primeira vista parece ser pesado, mas que sai para o jogo com qualidade, honrando os primeiros nomes que surgiram na posição. O jogador dá as direções na meia-cancha, chegando com perigo como elemento surpresa.

Rodriguinho (América-MG): Rápido, habilidoso e com faro de gols, o camisa 10 do Coelho e passou a chamar a atenção de clubes da Série A, como o conterrâneo Atlético, atual campeão da Libertadores, Santos, o primeiro a observá-lo, Internacional e Grêmio.

Athos jogador da Chapecoense
Athos, da Chapecoense
Athos (Chapecoense): Meia clássico. Arma o jogo, bom nas bolas paradas, e sempre deixando os companheiros na cara do gol. Líder de assistências na vice-líder do campeonato, que faz campanha surpreendente.


ATACANTES:

Bruno Rangel (Chapecoense): Artilheiro da Série B, com 15 gols em 12 jogos, média impressionante de 1,2 por partida, o centroavante da equipe do interior catarinense chuta bem com as duas pernas, é ótimo no jogo aéreo e com posicionamento impecável. O que pesa contra o atleta é sua idade elevada, com 31 anos, ele pode ser preterido pelas grandes equipes, que costumam dar a preferência para atletas mais novos.

Rafael Costa e Ricardo Bueno
(Figueirense): A dupla de ataque do Alvinegro vem em conjunto para a seleção das contratações. O estilo de um complementa o do outro. Juntos, os atacantes somam 16 tentos anotados. Rafael tem características do camisa 9 de área, faz o pivô, é forte e não costuma desperdiçar oportunidades. Bueno é veloz e mais habilidoso, mas também tem faro de artilheiro.

Bruno Rangel, jogador da Chapecoense
Bruno Rangel, em ação pela Chapecoense
Lúcio Maranhão (ASA): Apesar de não jogar em um time que esteja brigando pelo acesso, o centroavante mostra muita competência e raça pela equipe de Arapiraca. Já balançou as redes por cinco vezes, mais de um terço dos gols marcados pela equipe alagoana (13 no total) são dele. Com 24 anos, o atleta seria uma boa pedida para a linha de frente de muitos times na Série A.