Santos 2 x 0 Vitória - a vitória da base


Como já se passaram alguns dias desde o jogo contra o Vitória, realizarei uma breve análise sobre a equipe santista.

Análise Geral

Taticamente, o Santos entrou em campo em uma espécie de 4-3-3.

Defendia em duas linhas de quatro, sendo a primeira linha formada por Dracena, Gustavo, Galhardo e Mena e a segunda linha alinhada com Cícero, Leandrinho, Thiago Ribeiro e Gabriel, contando com Alison atuando como primeiro volante (as vezes até como terceiro zagueiro), no meio das duas linhas, como pode ser visto acima.

Em regra, Montillo não participava da marcação; poupava energia para atacar.

O Peixe atacava com Thiago Ribeiro e Gabriel, aberto pelas pontas, auxiliados respectivamente por Cícero e Leandrinho, e principalmente por aquele a quem cabia a armação das jogadas santistas, Montillo. Nesse jogo, Galhardo e Mena permaneceram mais presos à marcação, liberando os homens de frente para atacar.

Os gols santistas sairiam justamente dessas jogadas trabalhadas.

No lance do primeiro gol, Leandrinho, bem próximo da grande área, dá um passe para Gabriel, que, após belo corta-luz de Cícero, chutou em cima do goleiro e ele aceitou.

No lance do segundo gol, Gabriel recebe lançamento de Montillo, é derrubado na área, e a bola sobra para Cícero chegar como homem-surpresa e decretar a vitória santista.

Interessante observar que ambas as jogadas de gol santistas tiveram intensa participação dos "homens-surpresa" Leandrinho e Cícero, além claro da ótima participação do decisivo menino Gabriel, de 16 anos.

Gabigol marca contra Vitória
fonte: divulgação Santos FC/Ricardo Saibun
Também não dá para não notar que os gols não tiveram qualquer participação de Thiago Ribeiro, que, no entanto, vem evoluindo, e em breve deve mostrar mais futebol (ele não era de fazer gol lá no Cagliari...).

Devemos também elogiar o ótimo trabalho dos preparadores físicos. O time está correndo muito, entrando com vontade nas divididas e não cansando excessivamente antes do apito final.

O ambiente do time também, apesar das recentes disputas políticas externas, parece tranquilo, alegre, como deve ser, e parece-me melhor agora para o clube.

Em uma rápida análise técnica, constato que Aranha não comprometeu, Dracena e Gustavo formaram uma excelente dupla de zaga, Galhardo continua mal e deve dar lugar a Cicinho (Claudinei deve tê-lo escalado apenas para dar ritmo de jogo contra o Grêmio, já que Cicinho não pode jogar a Copa do Brasil, por já ter defendido outro clube na competição), Mena é um marcador incansável, mas pouco participativo lá na frente, Alison é o "destruidor", protegendo a zaga, Leandrinho e Cícero desempenharam um ótimo papel em suas funções (de marcar e atacar), dupla a qual, na minha opinião, deve ser mantida no time titular, Montillo voltou a ser aquele do Cruzeiro, Thiago Ribeiro ainda tem muito a evoluir, mas já mostrou ser bom jogador e Gabriel tem tudo para ser, nas devidas proporções, um novo Neymar.

Este é o Admirável Peixe Novo de Claudinei Oliveira.

Lembrando sempre que o Santos tem 2 jogos a menos.

Se vencer estes jogos (contra Náutico na Vila e Internacional fora) pulará para a 6ª posição, a dois pontos  da zona de classificação para a Libertadores.

Gabigol e Cícero contra Vitória
fonte: divulgação Santos FC/Ricardo Saibun