Internacional 1 x 2 Santos - santa bola parada





















O Santos retorna hoje do Rio Grande do Sul com um excelente resultado na bagagem.

Em 19 rodadas do Brasileiro, apenas o Bahia havia vencido o Internacional em casa.

Hoje foi a vez do time da Vila se fazer respeitar.

Em resumo, a eficiência do time praiano venceu a técnica do time gaúcho.

O Santos começou o primeiro tempo com extrema vontade de vencer, e com 6 meninos da base no time titular (Gustavo Henrique, Emerson, Alison, Alan Santos, Leandrinho e Giva), por conta do revezamento promovido por Claudinei, em razão da maratona de jogos.

E o gol santista saiu justamente dos pés um menino da base: Leandrinho, que cobrou escanteio com perfeição, para o desvio de Cícero e conclusão oportunista do excelente Thiago Ribeiro.

O segundo gol é de inteira responsabilidade de Claudinei Oliveira e Renato Abreu, nesta ordem.

Claudinei, percebendo o cansaço de Leandrinho, o sacou para a entrada de Renato Abreu, o qual prontamente se posicionou para cobrar a falta que daria origem ao segundo gol santista.

Palmas para Claudinei.

Durante o jogo, Giva e Alan Santos se lesionaram, dando lugar a Everton Costa e Renê Júnior, respectivamente.

Após o segundo gol, o time se retraiu, e houve momentos em que podiam ser vistos 11 jogadores de branco dentro da grande área santista.

Cansaram, pararam de jogar, esperaram tomar o gol, e tomaram.

Em um lance acidental, Alison colocou a mão na bola, ao tentar cortar o cabeceio de um jogador do Inter. Pênalti bem marcado, e convertido por D'Alessandro, em ótima cobrança, baixa, rasteira, forte, no canto, sem dar chance a Aranha.

Nos minutos finais, o Peixe continuou se segurando, recuou todo o time, contou com muita sorte e principalmente com o corajoso goleiro Aranha, que se atirava em todas as bolas alçadas na área.

Aranha, aliás, que fez rapidamente a torcida esquecer de Rafael.




Análises Individuais


Aranha foi o destaque do time. Apesar do visível sobrepeso, possui grande elasticidade, ótimo reflexo e boa noção da posicionamento, além da enorme coragem de se lançar nas bolas alçadas na área. Uma contratação que veio de graça para o Santos, após o fim de seu contrato com o Atlético/MG. Excelente custo-benefício. Palmas para a diretoria.

Edu Dracena esteve abaixo dos outros jogos, mas não comprometeu, assim como o menino Gustavo Henrique.

Cicinho, por outro lado, quase entregou o ouro de bandeja para Leandro Damião. Alterna bons jogos com péssimos jogos. Ainda assim, está anos-luz na frente de Galhardo e Bruno Peres.

Emerson fez uma partida segura, confiante, robusta. Apareceu bastante no ataque, e não comprometeu na defesa.

Alison hoje, para mim, ganhou a posição de Arouca (1º volante). É titular absoluto, e assim deve ser mantido (até porque quem joga nessa função acaba acumulando muitos cartões amarelos, e necessita de um bom substituto de tempos em tempos). Se destaca na raça, na garra, nas roubadas de bola e principalmente na disposição. É incansável em campo. Claro que precisa melhorar, fazer menos faltas, mas hoje fez mais uma ótima partida, não deixando D'Alessandro em paz para armar o jogo do Inter.

Alan Santos esteve pouco tempo em campo e mal foi notado.

Cícero teve papel fundamental no primeiro gol, ao desviar a bola de cabeça. De resto, perdeu algumas bolas bobas, que geraram contra-ataques adversários, mas ajudou a segurar a bola nos pés santistas ao final do jogo. Atuação apenas razoável.

Leandrinho fez o cruzamento que originou o primeiro gol santista, e só. Muita disposição, e pouco futebol para o que se espera dele.

Giva estava fazendo excelente partida antes de se machucar. Perdeu o que seria o primeiro gol santista, ao se posicionar bem dentro da área para receber a bola limpa. Melhor que Everton Costa.

Thiago Ribeiro foi oportunista ao marcar o primeiro gol santista. Sua excelente técnica pode ser notada ao longo do jogo. Participou ativamente das poucas jogadas de ataque, seja conduzindo a bola com velocidade, driblando ou lançando companheiros. No segundo tempo, cansou, limitando-se a marcar.


Renato Abreu cobrou a falta que originou o segundo gol santista. E só...

Renê Júnior parece ter perdido o seu futebol. Falta de sequência? Talvez. Mas hoje está bem abaixo de Alison e Alan Santos. Limitou-se a marcar.

Everton Costa, apesar da pouca técnica, ajudou como ninguém na marcação. É um atacante que melhor marca do que ataca. E hoje essa característica foi essencial para segurar o placar, principalmente ao final do segundo tempo.


Notas


Aranha. 9
Edu Dracena. 5
Gustavo Henrique. 5
Cicinho. 4
Emerson. 6
Alison. 7
Alan Santos. 4,5
Leandrinho. 6
Cícero. 5,5
Giva. 6
Thiago Ribeiro. 6,5

Renê Júnior. 3,5
Everton Costa. 6,5
Renato Abreu. 6

Claudinei Oliveira. 8