Aquecimento: Santos x Internacional

Análise tática Santos x Internacional
clique na imagem para ampliá-la


Análise tática. Com Montillo, Claudinei deverá armar o time em um 4-3-1-2, com laterais avançando alternadamente, um volante plantado à frente da zaga (Alison), dois volantes que marcam e atacam (Arouca e Cícero), um meia armador (Montillo), um ponta direita (Everton Costa) e um ponta esquerda (Thiago Ribeiro).

Ao defender, os jogadores se postam no 4-1-4-1, em duas linhas de quatro, com Alison no meio das primeiras duas linhas e Montillo como homem de frente mais avançado (que em regra não marca). Para montar a segunda linha, Everton Costa e Thiago Ribeiro retornam ao meio campo, atuando como meia direita e meia esquerda, respectivamente, enquanto Montillo se coloca na frente como um falso 9.

Com muitos machucados, sobram poucas opções táticas para Claudinei no banco de reservas. A mais usual é a entrada de Willian José no lugar de Everton Costa, que ao atacar se posta como um verdadeiro centroavante, jogando de costas para o gol.

Análise técnica. Em apertada vitória (6 x 5), o time do Internacional é superior ao do Santos. Importante observar que a força colorada reside no ataque, enquanto a força santista neste está na defesa.

Goleiros
Aranha
Muriel

Zagueiros
Edu Dracena
Juan
Gustavo H.
Jackson
Lateral direito
Bruno Peres
Gabriel
Lateral esquerdo
Emerson
Kleber

Volantes
Alison
João Afonso
Arouca
Willians

Meias
Cícero
Alex
Montillo
D’Alessandro
Atacantes
Thiago Ribeiro
Leandro Damião
Everton Costa
Jorge Henrique


Análise física. Fisicamente, os jogadores santistas vêm muito mais descansados para o jogo, por dois motivos: jogaram sábado (o Inter jogou domingo) e não terão de encarar uma desgastante viagem de Porto Alegre à São Paulo.

Análise emocional. Com 1 ponto de diferença entre as duas equipes, pode-se dizer que estamos diante de um “jogo de 6 pontos”, em que uma vitória santista dificultaria, e muito, a vida colorada na busca por uma vaga na Libertadores (e vice-versa). Além disso, ambas as equipes vem para o jogo motivadas, após vencer no final de semana (contra Ponte e Náutico).

Desfalques. Cicinho, Leandrinho (suspensos), Neto, Renê Jr., Léo, Giva (lesionados) e Eugenio Mena (seleção chilena).

Vai brilhar. Cícero. O volante que marca e ataca é o jogador mais regular do time santista, e tem se mostrado decisivo, como na bela jogada que iniciou o primeiro gol do Peixe contra a Ponte Preta.

Pode surpreender. Montillo. Após retornar de lesão, foi extremamente efetivo no jogo contra a Ponte Preta – apesar da pouca movimentação, participando diretamente dos 2 gols, marcando um deles e promovendo uma assistência.

Estão devendo. Os laterais santistas reservas estão devendo. Hoje, Bruno Peres (ou Galhardo) e Emerson terão nova chance de mostrar que merecem permanecer no elenco para 2014.

Olho nele! D’Alessandro. O argentino tem se destacado nessa temporada pelo Internacional, com gols, assistências, e ditando o ritmo de jogo do clube colorado.

Ataque x Defesa. O Peixe tem o 9º melhor ataque da competição (34 gols) e a 5ª melhor defesa (30 gols). O Inter tem o poderoso 3º melhor ataque (43 gols), mas apenas a 7ª pior defesa (40 gols). Pela análise dos ataques e defesa, os dados levam a crer que o Santos marcará ao menos um gol, e o Inter também.

Retrospecto. Jogando em casa, o Santos neste Campeonato Brasileiro venceu 7 jogos, empatou 6 e perdeu apenas 1 (contra o Botafogo, por 2 x 1). Jogando fora de casa, o Internacional venceu 4, empatou 6 e perdeu outras 4. Clara vantagem para o Peixe, mas o alto número de empates das duas equipes (12 somados, em 28 rodadas), pode indicar um empate para esta partida.

Palavra do treinador. “Ele (Montillo) faz diferença, sim. Com ritmo, ele já vinha decidindo. Não faz tantos gols, mas é efetivo com assistências. Tem boa leitura do jogo, orienta e é uma preocupação para o adversário. Quando não temos o Montillo, acabamos jogando com dois meias. Mas ele, sozinho, consegue fazer o time jogar”.

Palpite. Empate com gols.

Dúvida pertinente. A diretoria fez bem em não contratar Ignacio Scocco, hoje reserva de Jorge Henrique no Internacional?

Comente!