Santos 3 x 0 São Paulo - o verdadeiro soberano

Análise tática Santos 3 x 0 São Paulo
clique na imagem para ampliá-la




















Análise tática. Após o fracasso em Minas contra o Atlético, Claudinei armou o Santos de uma forma diferente, em um 4-2-2-2, com Arouca e Alison como primeiro e segundo volantes, Cícero atuando como meia direita e Leandrinho na meia esquerda, com Thiago Ribeiro na ponta esquerda e Willian José na ponta direita, centralizando quando necessário, para dar opção de jogo.

Tudo bem, mas qual foi o baile tático de Claudinei em Muricy? Basicamente, o Santos atacava todo momento pelas laterais, ganhando sempre os embates contra os fracos Douglas e Reinaldo, deixando portanto Wellington e Rodrigo Caio sem ter quem marcar.

Com isso, tanto Wellington quanto Rodrigo Caio eram pesos mortos no São Paulo, sendo ambos totalmente engolidos pela movimentação dos laterais e pontas santistas, além claro da ótima presença de Cícero e Leandrinho, que, muito além de marcar, também sabem jogar bola.

Alison e Arouca grudaram nos pés de Ganso e Jadson, não os deixando respirar... Osvaldo vive péssima fase e se atrapalhava sozinho com a bola... enquanto Luís Fabiano perdia todos os embates contra o experiente Edu Dracena e o jovem Gustavo Henrique.

No meio de campo santista, portanto, haviam 4 jogadores marcadores (Alison, Arouca, Cícero e Leandrinho), enquanto no do São Paulo só haviam 2 (Wellington e Rodrigo Caio) - considerando que Ganso, Jadson e Osvaldo eram nulidades na marcação. Isso sem contar a participação defensiva de Thiago Ribeiro e Willian José, sempre presentes.

Esses foram os motivos dos jogadores alvinegros ganharem todas as divididas no meio de campo, e saírem jogando com qualidade, mesmo após a expulsão de Alison.

Bem verdade também que péssima zaga reserva são paulina ajudou (Edson Silva e Paulo Miranda), bem como a coragem de Claudinei, de colocar mais um atacante marcador (Everton Costa) para infernizar a vida tricolor.

Analisando o técnico. O Santos tem em Claudinei o melhor custo benefício do Campeonato Brasileiro. O técnico que ganha 80 mil mensais deu um banho em Muricy, que antes na Vila embolsava 700 mil a cada 30 dias. 

Lembram o que acontecia quando um jogador era expulso no Santos de Muricy? O treinador tirava um homem de frente, colocava um zagueiro, e o time se retrancava, esperando a partida terminar.

Claudinei fez diferente. Com a expulsão de Alison, aproveitou o fato de já ter em campo 3 jogadores de marcação (Arouca, Cícero e Leandrinho) e colocou em campo mais um atacante (Everton Costa), no lugar de Leandrinho, ganhando mais poderia ofensivo e evitando que o time se retrancasse por completo.

No final, ainda foi feliz com a substituição de Thiago Ribeiro por Léo, e ainda ganhou tempo nos acréscimos tirando Willian José para a entrada de Renê Júnior.

Vale lembrar que o contestado (por alguns) Claudinei venceu o clássico por 3 x 0, com um jogador a menos, sem levar nenhum gol, e sem Montillo.

Já passou da hora da torcida santista começar a valorizar de verdade Claudinei! Principalmente do promotor Francisco Cembranelli, membro do Comitê Gestor do Santos, que não entende nada de futebol.

Analisando os gols. 

Edu Dracena marca contra São PauloO primeiro gol santista nasce do resultado de três escanteios seguidos, todos cobrados por Leandrinho e cabeceados pelo time santista, até resultar no voo de Edu Dracena para abrir o placar na Vila Belmiro (detalhe: ninguém do time do São Paulo sequer pula para tentar cortar a bola).

O segundo gol começa com uma arrancada sensacional de Cicinho pela direita, que ao final da jogada cruza rasteiro para a grande área, para o arremate oportunista de Thiago Ribeiro.

O terceiro gol nasce novamente de uma boa jogada individual de Cicinho pela direita, que cruza à meia altura para dentro da área, e Léo alcança a bola para marcar seu 24º gol em 453 jogos disputados com o manto sagrado!


Léo marca contra São Paulo

















Análise do goleiro. Aranha foi fundamental no jogo. Seguro, fez defesas tranquilas nos chutes de fora da área do time da capital, e ainda, por ser "Aranha", assustou os atacantes são paulinos, que não tiveram coragem de chegar perto (rs). Além disso, é o dono da grande área, saltando frequentemente para cortar os cruzamentos, algo essencial para um goleiro de alto nível no futebol (e algo que Rafael não fazia). No final do jogo, tomou um cartão amarelo bobo (ou seria proposital?), e não enfrentará a Portuguesa neste domingo, no Canindé, dando oportunidade ao prata da casa Vladimir.

Análise da zaga. Edu Dracena e Gustavo Henrique foram brilhantes, tanto defensivamente quanto ofensivamente. Edu ainda deixou seu gol. Não permitiram que os atacantes adversários marcassem gols, mesmo com o time praiano jogando com 1 a menos.

Análise das laterais. Cicinho barbarizou, com duas assistências, muita movimentação ofensiva e forte dedicação na marcação. Mena participou pouco das jogadas de ataque, mas teve grande destaque na marcação, e tem evoluído a cada partida. Ouso dizer que em breve teremos a melhor dupla de laterais do futebol brasileiro.

Análise do meio. Alison e Arouca formam uma dupla de marcadores implacáveis, que poderiam ser eternamente mantidos por Claudinei. Alison vinha de excelente atuação até ser expulso, em um carrinho imprudente. Arouca aos poucos volta a ser o velho "monstro" que conhecemos.
Arouca
Alison
Análise do ataque. Thiago Ribeiro demonstra a cada dia ser uma das melhores contratações da última janela de transferências. Atacante rápido, habilidoso e não muito caro, vem correspondendo à expectativa com dribles, gols e assistências. Ontem deixou o seu. Willian José, por outro lado, não passa de um bom reserva...

Chuteira de ouro. Cicinho. Jogou demais: duas assistências, muita participação no jogo, roubadas de bola, faltas sofridas, infernizando a defesa são-paulina.

Chuteira de prata. Edu Dracena. Marcou um belo gol de cabeça na raça que faltou ao São Paulo, e foi um monstro na defesa no segundo tempo, quando o Santos jogava com um a menos, garantindo o resultado.

Chuteira de bronze. Aranha, Léo e Thiago Ribeiro. O primeiro segurou o resultado no segundo tempo, enquanto o segundo e o terceiro marcaram os demais gols santistas. Léo mito!

Troféu perna-de-pau. Willian José. Destoou da grande atuação coletiva do Santos no jogo.

Notas.

Aranha. 8
Edu Dracena. 8,5
Gustavo Henrique.  8
Cicinho. 9,5
Mena. 7,5
Alison. 6
Arouca. 6,5
Cícero. 7
Leandrinho. 6,5
Thiago Ribeiro. 7,5
William José. 5

Everton Costa.  5,5
Léo. 7
Renê Jr. sem nota

Claudinei Oliveira. 9


Santos vence São Paulo na Vila Belmiro