Santos 3 x 2 Penapolense - heróis e vilões

Santos vence Penapolense


O Santos conseguiu: está na grande final do Campeonato Paulista!

Sua 6ª final seguida do Paulista, com até agora 4 títulos conquistados.

A campanha do Santos é impecável.

Após vencer o Penapolense, o Peixe atingiu a incrível marca de 10 vitórias seguidas na Vila Belmiro!

13 vitórias como mandante, no total, somando-se os jogos do Campeonato Brasileiro em 2013.

46 gols marcados em 17 jogos, sendo 33 deles na Vila Belmiro (em 10 jogos!).

A defesa também se destaca: o time sofreu apenas 18 gols durante todo o Campeonato.

No jogo de ontem, heróis e vilões escreveram história.

Vilões não, vilão, que atende pelo nome de David Braz.

Não sei o que é mais inacreditável: os dois ótimos jogos que o zagueiro fez contra Palmeiras e Ponte Preta ou o fato de termos acreditado que o futebol de David havia mudado.

Ontem mostrou suas caras da pior maneira possível.

David Braz foi diretamente responsável pelos dois gols da Penapolense.

O primeiro, ao dar um pênalti de graça para a equipe adversária, após ter agarrado infantilmente a camisa do atacante do clube de Penápolis.

O segundo, após extrema indecisão sobre o quique da bola, na frente de Aranha, o que possibilitou o atacante adversário a roubar facilmente a bola e mandá-la para o fundo das redes.

David BrazDavid chegou a marcar um gol, que seria o da redenção (o da virada santista), mas estava em posição irregular.

Em outros lances, além destes, o zagueiro também assustou: muita indecisão e péssimas rebatidas.

Assim como Oswaldo teve coragem de tirar Jubal, titular durante todo o período em que Gustavo Henrique esteve machucado, deverá ter mais coragem para tirar David Braz da titularidade imerecida.

Mas falemos agora dos heróis, estes sim os verdadeiros donos da festa e da virada santista.

Cícero, Leandro Damião e Stéfano Yuri brilharam nos gols que garantiram o Peixe na final!

O primeiro, após arriscar forte chute na frente da grande área.

O segundo, ao cabecear uma bola perfeitamente cruzada por Rildo, que acabara de entrar.

O terceiro, depois do preciso passe de Thiago Ribeiro.

Stéfano Yuri, aliás, foi anos-luz melhor do que Leandro Damião.

Em 1 minuto de jogo, Stéfano Yuri marcou um gol (o da vitória).

Em 80 minutos em campo, Leandro Damião marcou um gol e perdeu no mínimo 5 gols feitos, claros, fáceis, simples.

Leandro Damião x PenapolenseO prejuízo técnico do Santos com Damião é evidente.

A começar por Gabigol, que não rende nada jogando como meia armador (por isso não foi visto em campo ontem) - fato que Oswaldo até agora aparentemente não percebeu - e acaba tendo seu futebol prejudicado.

Temos atualmente no elenco um grande finalizador, um grande centroavante: o nome dele é Gabigol.

Enquanto o grosso Damião não vazar do time, Gabigol não terá oportunidades.

Que dilema terrível o do Santos: deixar Leadro Damião de titular para vendê-lo logo e queimar Gabigol na reserva ou em uma posição em que não sabe jogar.

Por essas e outras já falei que a compra de Damião foi o pior negócio da história do futebol brasileiro.

A imprensa pode tentar puxar seu saco, Oswaldo pode tentar elevar sua moral, mas nada me engana: Damião é um péssimo jogador de futebol.

Apesar da necessidade de deixar Damião de titular e tirar Gabigol de posição, a estrela de Oswaldo de Oliveira ontem brilhou.

Perdendo o jogo, tirou Gabigol para a entrada de Rildo, que minutos depois arrancaria na ponta esquerda e cruzaria a bola com precisão na cabeça do camisa 9 santista, empatando o jogo.

No final, chamou Stéfano Yuri substituir Damião, e no primeiro lance que o menino pega na bola... sai o gol da virada!

Palmas para Oswaldo de Oliveira, ele merece todas!

Pela melhor campanha da 1ª fase, pelo melhor ataque da competição, pelo futebol belo e ofensivo, pelo excelente trabalho com as categorias da base, por não reclamar da falta de contratações de peso, por montar um time que meteu 5 no Corinthians e que até agora não perdeu nenhum clássico, e pela virada de ontem!

Hoje não hesito em dar nota 10 para o trabalho de Oswaldo de Oliveira no Santos: não poderia ser melhor.

A diretoria acertou em cheio a sua contratação, e merece também ser reconhecida por isso.

Voltando ao jogo, Aranha fez uma partida regular, Neto contrastou sua boa atuação com a péssima de David Braz, os laterais Cicinho e Mena subiam bastante ao ataque e davam muito espaço atrás, enquanto Arouca e Cícero se desdobravam na marcação dos perigosos contra-ataques do Penapolense, bem armado pelo ex-santista Narciso, ontem ovacionado em Penápolis.

Na frente, faltou perna para o quarteto mágico ajudar na marcação, mas sobrou talento para os lances de ataque, apesar de todo o nervosismo, que os fazia errar seguidos passes no primeiro tempo.

Esse time tem um sério problema: fica desesperado ao levar um gol, para de trocar passes curtos pelo chão - sua principal característica - e parte para os chutões e jogadas individuais, que nunca dão certo.

Oswaldo precisa corrigir isso.

Thiago Ribeiro estava sumido no jogo, até dar o passe preciso para Stéfano Yuri marcar o gol da virada santista.

Geuvânio tentava, mas parecia muito nervoso, intimidado talvez, e não conseguia produzir como antes.

Por fim, a virada e a merecida vitória, de um time guerreiro que lutou até o final.

Venceu quem teve mais vontade de vencer.

David Braz


Depois do jogo, alguns meninos desabaram emocionalmente.

Geuvânio, muito emocionado, chorou, assim como David Braz e Gabigol, bastante comovidos e agitados com a vitória.

Por conta disso, Oswaldo decidiu blindar os meninos durante toda essa semana, mantendo-os fora de entrevistas coletivas e participações em programas de rádio e televisão, para que trabalhem com calma durante toda a semana para a primeira partida da grande final, contra o Ituano, as 16h de domingo.

Um episódio lamentável ocorreu também na Vila Belmiro: o presidente do Penapolense foi ameaçado por vândalos em seu camarote ao comemorar o segundo gol do clube do interior, e chegou a "torcer para o time perder", para que pudesse sair vivo do estádio.

Isso é absolutamente inadmissível em um estádio como a Vila Belmiro, que deve servir de exemplo para o país.

Hipocritamente, antes da jogo, a diretoria distribuiu lenços brancos para os torcedores santistas, pedindo a paz... ridículo.

Outro ponto negativo foi o terceiro cartão amarelo de Eugenio Mena e Cicinho, que não enfrentarão o Ituano na primeira partida da decisão.

Emerson e Bruno Peres, respectivamente, devem ser os substitutos.

Para poupar os titulares, o Santos usará um time reserva no confronto contra o Mixto, do Mato Grosso, quarta-feira as 22h, na estreia do Peixe na Copa do Brasil e inauguração da Arena Pantanal.

Melhor ataque da competição, com 46 gols marcados, o Santos enfrentará na grande final o chato e batedor time do Ituano, melhor defesa da competição (10 sofridos).

Durante a semana, o tema será exclusivamente a grande final (com pausas eventuais para a Copa do Brasil), onde analisaremos o time do Ituano, suas qualidades e defeitos e a chave para o título santista.

O título está cada vez mais próximo...