Por que as 9 primeiras rodadas são essenciais

Taça do Campeonato Brasileiro

O Campeonato Brasileiro já começou.

E continuará por mais 9 rodadas, quando será paralisado para a disputa da Copa do Mundo.

Na história do Brasileiro de pontos corridos, essas nove primeiras rodadas provaram-se essenciais para definir quem será o campeão brasileiro de determinado ano.

Recente levantamento realizado pelo jornalista mineiro Juliano Paiva demonstra que, desde 2006, quando o nacional passou a ser disputado por 20 clubes, nada menos que 3 clubes que seriam campeões (dos 8) lideravam o campeonato na 9ª rodada.

Isso aconteceu em 2006 (São Paulo), 2011 (Corinthians) e 2013 (Cruzeiro).

Em 2007 e 2010, quem ergueu a taça estava na 2º colocação na nona rodada.

Em 2012, o futuro campeão ocupava a terceira posição na tabela.

Houve apenas duas ocasiões em que alguns clubes deram a volta por cima.

Em 2009, o Flamengo, futuro campeão, estava na 6ª colocação na nona rodada.

Em 2008, o São Paulo estacionava na 7ª posição antes de buscar o título ao final do campeonato.

Em resumo.

3/8 dos campeões desde 2006 para cá já lideravam o campeonato na nona rodada;
2/8 dos campeões ocupavam a segunda colocação;
1/8 jazia na terceira posição;
1/8 estava em sexto lugar;
1/8 em sétimo;

Isto é, se o Santos pretende este ano disputar o título, antes da parada da Copa do Mundo o clube precisa estar, no mínimo, na 7ª colocação.

Caso a prioridade seja a disputa da Taça Libertadores de 2015, permanecer na primeira parte da tabela (entre os 10 primeiros) é primordial.

De qualquer forma, sabemos que apenas as vitórias levarão o Santos ao topo.

E a primeira delas não veio, na Vila Belmiro, contra o Sport.

Como se tornou tradição do Santos não vencer na primeira rodada do Brasileiro (desde 2005).

Devemos lembrar que Oswaldo de Oliveira é experiente, levou o Botafogo à 7ª colocação no Brasileiro de 2012, quando se especulava que o time era candidato ao rebaixamento, e no ano seguinte deixou o clube do Rio na 4ª posição no campeonato nacional, devolvendo o Botafogo à Libertadores após 17 anos sem disputá-la.

Neste momento, precisamos de calma.

Oswaldo tem uma bomba-ambulante chamada Leandro Damião.

E, com a lesão de Neto, David Braz e Jubal (por que não Bruno Uvini?) deverão formar a insegura e inexperiente dupla de zaga titular.

Além disso, Rildo se lesionou, e ficará fora por cerca de 2 meses.

Ao que observo, no momento, não somos nem candidatos ao título nem ao rebaixamento.

Mas esse time, com a volta de Edu Dracena e Gustavo Henrique, tem grande potencial, principalmente (senão somente) depois da Copa do Mundo.

Só nos resta esperar...