Santos 3 x 0 Mixto/MT - no sufoco!

Santos 3 x 0 Mixto


O Peixe ganhou no sufoco, ou vão me dizer que não?

A verdade é que até os 14 minutos do segundo tempo, quando Arouca inaugurou o placar, a torcida santista presente no estádio ou mesmo na televisão estava com o coração na mão.

Impossível não ter passado na cabeça do torcedor alvinegro a possibilidade do jogo ser decidido nos pênaltis, e o surgimento de uma nova zebra.

Mas felizmente tudo correu bem!

No primeiro tempo, a equipe parecia de ressaca do Campeonato Paulista, com imensa dificuldade de furar o bloqueio imposto pelo Mixto/MT - tal como o do Ituano, time que nem Campeonato Brasileiro jogará em 2014.

Destaque no primeiro tempo para Eugenio Mena, Arouca e Gabigol, os únicos que tentavam alguma coisa.

Geuvânio, o grande destaque do Peixe no Campeonato Paulista, estava estático.

Só voltaria a mostrar bom futebol após o primeiro tento alvinegro.

No segundo tempo, antes do gol santista, o mesmo marasmo.

O time santista voltava melhor, com mais vontade, mas com a mesma dificuldade para passar a forte defesa imposta pelo Mixto.

Observando isso, Oswaldo de Oliveira resolveu não repetir o primeiro tempo, e tirou Diego Cardoso para a entrada de Lucas Lima.

O jovem meia felizmente queimou minha língua (não totalmente).

Os 2.321 corajosos que compareceram à Vila Belmiro na noite chuvosa de quarta-feira puderam ver, com a entrada do armador, o "despertar" do time.

Logo ao entrar, o meia  tentou cavar um pênalti, em lance duvidoso.

Em seguida, iniciou a jogada do gol, ao encontrar Cicinho livre na direita, que cruzou rasteiro a bola na área, para a infiltração surpresa de Arouca e a abertura do placar: Santos 1 x 0.

A expressão dos jogadores santistas após o gol foi simbólica.

Alívio, alívio, alívio...

Instantes depois do gol, lembro de terem filmado Aranha, e sua expressão de alívio era imensa.

Afinal, imagina o que esses jogadores ouviriam se fossem eliminados pelo Mixto, nos pênaltis, dentro da Vila Belmiro, após a desastrosa derrota para o Ituano?

Do gol de Arouca em diante, só deu Santos, e o Mixto não levou mais perigo ao gol de Aranha, como levava no primeiro tempo em bolas paradas.

Aos 23 minutos do segundo tempo, o zagueiro do time cuiabense chega todo estabanado no lance e, dentro da grande área, solta o braço em Thiago Ribeiro, que cai: pênalti claro.

Penalidade máxima cobrada e bem convertida por Gabigol, que também já havia acertado seu pênalti contra o Ituano, no último domingo.

Aos 38, Geuvânio parte livre no meio de campo e dá bela assistência para Gabigol marcar seu segundo gol do jogo, tornando-se o artilheiro do Santos na temporada, com 9 gols - ao lado de Cícero - e dar números finais ao confronto.

Foi no sufoco, mas evitamos mais um vexame e avançamos.

Do jogo, podemos tirar algumas conclusões.

Começando pelo fato, óbvio, notório, límpido e cristalino, de que Gabigol merece ser o titular da camisa 9 no ataque santista.

Jogando como centroavante, sua posição onde mais rende, hoje marcou 2 gols.

E muito mais do que isso!

Com Gabigol, o resto do time joga melhor.

O jovem centroavante santista possui muito mais recursos que Damião.

Gabriel tem velocidade, arranque, visão de jogo, facilidade de domínio de bola, passes precisos e um pé esquerdo mágico para finalizar em gol!

Entrando como reserva ou titular, o jovem da base alvinegra marcou 9 gols em 19 jogos.

Damião, sempre titular os 90 minutos, marcou 5 em 12.

Imaginem se Gabigol fosse titular os 90 minutos todos os jogos, quantos tentos ele marcaria!

Temos "um Neymar" na base, que está sendo sufocado pelo péssimo futebol de Leandro Damião.

E o péssimo futebol de Damião é consequência de sua péssima contratação pela diretoria santista, por R$ 42 milhões, valor que torna absolutamente inviável deixá-lo na reserva, por precisar ser revendido logo...

A segunda conclusão é a necessidade de se testar Lucas Lima na posição de meia-armador desse time.

Já ficou claro que nem Gabigol nem Cícero conseguem fazer a função de camisa 10.

Lucas Lima, por jogar nessa posição, mostrou ontem que pode ser esse cara.

Apesar de, repito, ter atuado durante apenas 45 minutos (ao final do jogo já aparentava estar esgotado fisicamente - o que me lembra Ganso...).

Em resumo, meus destaques ficam para Eugenio Mena, Arouca, Lucas Lima e Gabigol!

Os melhores momentos do jogo você vê abaixo: