Santos 4 x 2 Princesa/AM - show dos meninos



"Hoje é dia de Geuvânio e Gabigol darem show".

Não sou vidente, mas previ as boas atuações de Geuvânio e Gabigol no aquecimento para o jogo de ontem.

O primeiro deu passe primoroso para Gabigol inaugurar o placar.

Enquanto o segundo, além do gol, participou ativamente da jogada com Lucas Lima que resultaria no gol contra.

Confesso que esperava algo próximo do 6 x 0.

Mas os 4 x 2, em si, ficaram de bom tamanho.

Ainda mais pelo orgulho de terminarmos o jogo com nada menos que 7 meninos da Base, dos 11 jogadores santistas em campo - Jubal, Zé Carlos, Alison, Leandrinho, Geuvânio, Diego Cardoso e Gabigol.

Este correto aproveitamento das categorias de base tem o dedo de Oswaldo de Oliveira, que realmente dá oportunidade aos meninos, incentivando sempre a melhora de seu futebol, ao contrário de alguns treinadores, que preferem cobrar os mais jovens, dando broncas públicas dentro do gramado, chamando-os de "projeto de jogador com defeito de fábrica" (sim, sim, estou falando de Muricy Ramalho).

Do jogo, tiram-se novidades positivas e negativas.

A positiva ficou por conta da primorosa atuação ofensiva da equipe.

Mena, Cicinho, Arouca, Alison, Lucas Lima, Thiago Ribeiro, Geuvânio e Gabigol, todos eles participaram, de alguma forma, dos gols santistas, conforme será demonstrado a seguir, com a análise individualizada de cada gol, desde onde surgiu.

Aranha teve uma atuação regular, sem culpa nos dois gols do Princesa, efetuou ainda uma defesa espetacular à queima-roupa no final do jogo.

Jubal falhou, e muito, tanto no primeiro gol do Princesa - ao escorregar e cair de bunda no chão - quanto no segundo, ao não conseguir cortar uma bola que passava à sua frente, talvez justificando o porquê de David Braz ser o titular...

Bruno Uvini teve um desempenho razoável, mostrando muita vontade, mas falhando no segundo gol do Princesa, ao não cortar o cruzamento para a pequena área, assim como Jubal.

Os laterais Mena e Cicinho realmente resolveram aquele eterno problema das laterais, que assombrava o Santos desde 2011.

O rendimento de ambos na parte ofensiva é excelente, apesar de deixarem muito a desejar na parte ofensiva (Cicinho mais, Mena menos).

Alison e Arouca jogando juntos mostraram a todos que o time não precisa de Cícero, o caro jogador (recebe R$ 350 mil mensais no clube) que deve deixar o clube no final do ano.

Lucas Lima assumiu mesmo o papel de cérebro da equipe, com muita movimentação, passes e lançamentos precisos, tempo de bola perfeito, atuando como uma espécie de "Ganso veloz". Ainda vai render muitas alegrias a esse time. A torcida estava certa (e eu errado): encontramos o nosso 10.

Geuvânio, ao contrário dos outros jogos, teve boa atuação, movimentando-se constantemente, destacando-se com passes e chutes, que culminaram na excelente assistência para Gabigol abrir o placar para o Peixe no primeiro tempo.

Thiago Ribeiro alternava bons e maus momentos na equipe, apesar de exercer uma função defensiva importantíssima (ele é o único do quarteto ofensivo que realmente volta para marcar e ajudar a defesa), até puxar a bola em jogada individual e marcar seu gol, dando números finais ao confronto.

Gabigol, melhor jogador do Santos em campo, desempenhou uma atuação primorosa, anos-luz superior às de Leandro Damião, que não marca gol há 6 jogos.

Gabigol só não fez chover ontem: abriu o placar, deu a assistência para Lucas Lima cruzar e garantir o 3º gol santista (contra), meteu bola na trave, correu, passou, lançou, driblou... e, sim, perdeu muitos gols (mas deixou o seu, ao contrário de Damião, que só perde...).

Com 2 gols em 2 jogos, e a lesão de Leandro Damião, Gabigol pôde finalmente se firmar como titular.

Se o técnico Alexandre Gallo resolveu deixá-lo fora da Seleção Sub-20 por "opção técnica", pior para a seleção, melhor para o Santos.

Oswaldo de Oliveira tem o meu destaque no jogo, por saber aproveitar com sabedoria os meninos da base, repondo-os conforme a necessidade e saída dos titulares (lembremos que o Santos jogou hoje sem 4 titulares - Edu Dracena, Gustavo Henrique, Cícero e Leandro Damião, mesmo sem que os dois primeiros façam falta). É realmente difícil fazer com que um time vença com uma defesa tão frágil. David Braz, Jubal e Bruno Uvini são fraquíssimos, neste momento. Jubal é jovem, ainda tem muito a evoluir. Mas os outros dois ainda não mostraram a que vieram. Resultado: 2 gols do Princesa. No final, destaco Oswaldo principalmente pela habilidade de fazer com que este time do Santos terminasse o jogo com 7 meninos formados nas nossas categorias de base, isso significa muito para o torcedor (e certamente também para o futuro do clube).



ANALISANDO OS GOLS

17 minutos. Sai o primeiro gol santista! Em contra-ataque, Geuvânio, antes da linha divisória do meio campo, faz lançamento primoroso para Gabigol arrancar, tirar o goleiro da jogada, e abrir o placar para o Peixe.

24 minutos. Sai o segundo gol santista! Eugenio Mena cruza com precisão a bola dentro da pequena área do time adversário, e Cicinho aparece para conferir: Santos 2 x 0.

38 minutos. Gol do Princesa... após cobrar arremesso lateral, o lateral Eugenio Mena se apresenta para receber e devolve o cabeceio para trás, proporcionando um contra-ataque mortal para a equipe amazonense, com direito a escorregão decisivo de Jubal e 3 atacantes contra 4 defensores... Santos 2 x 1.

Termina o primeiro tempo... com um saldo santista que mostrava um time faltoso em constante busca do gol: 8 finalizações (4 certas), 16 desarmes, 5 escanteios, 11 faltas e 21 erros de passe.

Começa o segundo tempo.

8 minutos. Thiago Ribeiro passa para Gabigol, que dá belo chute e acerta a trave do Princesa!

9 minutos. Apenas um minuto depois, Lucas Lima sairia jogando com a bola desde o campo defensivo, tabelaria com Gabigol, que devolveria a bola de volta na ponta esquerda, para o cruzamento definitivo de Lucas Lima que resultaria no gol contra do pobre He-Man: Santos 3 x 1.

13 minutos. Quatro minutos depois, foi a vez do Princesa ampliar. Após ser cobrada uma falta dentro da pequena área santista, Jubal e Bruno Uvini passam secos em frente à bola, que sobra para o atacante do time amazonense ajeitá-la com o braço, em clara irregularidade, para marcar o segundo gol do Princesa... Santos 3 x 2.

25 minutos. Para garantir a vitória santista, o irregular Thiago Ribeiro arrisca jogada individual, puxando a bola para o meio da grande área, ao melhor estilo "Robben invertido" e manda um balaço para o fundo das redes, tão forte que lhe rendeu até cãinbras após o gol.

29 minutos. O goleiro Aranha faz defesa espetacular à queima-roupa, evitando o terceiro gol do clube amazonense!

31 minutos. O centroavante Gabigol perde o gol mais feito do jogo... livre, com Lucas Lima e Thiago Ribeiro acompanhando ao seu lado, em melhor condição de finalizar, Gabigol foi egoísta: não passou a bola, desferiu um chute fraquíssimo, e desperdiçou displicentemente o 5º gol santista.

34 minutos. Sai Thiago Ribeiro, entra Diego Cardoso.

38 minutos. Sai Eugenio Mena, entra Zé Carlos (He-Man sai aplaudido - coitado).

41 minutos. O meia Lucas Lima arrisca chute de fora da área, e quase marca o 5º gol santista!

E assim, meus caros, termina a análise de Santos 4 x 2 Princesa do Solimões.

Ao contrário de São Paulo e Palmeiras, que perderam seus jogos fora de casa (contra os também fraquíssimos CRB e Sampaio Corrêa, respectivamente), o Santos venceu seu jogo fora por 2 x 1.

Em casa, ao contrário de São Paulo e Palmeiras, que levaram um grande sufoco para vencer os pequenos em casa e se classificar, o Peixe construiu seu placar com calma e com uma boa atuação, resultando em um tranquilo 4 x 2.

O Santos não está tão mal assim, caros amigos.

O Peixe volta a campo neste domingo, as 18h30min, contra o Atlético Mineiro, na Arena Pantanal.

Fiquem ligados!