Jean Chera, o desemprego, e a dura lição de vida



No dia 28 de Março deste ano, o ex-santista Jean Carlos Chera, de apenas 19 anos, amargou mais um revés na carreira: foi dispensado pelo Oeste de Itápolis, clube pelo qual não disputou sequer um jogo durante o tecnicamente fraco Campeonato Paulista de 2014.

Apesar de seu contrato com o clube paulista ir até o final do ano, o jovem entrou na lista de dispensas, ao lado de outros 11 jogadores.

De acordo com Mauro Guerra, diretor de futebol do Oeste, Chera "não está preparado para a Série B".

Passados pouco mais de 2 meses, Jean Chera segue desempregado.

Mas, desta vez, não será tão fácil encontrar um clube onde jogar.

Afinal, mesmo com apenas 19 anos, o jovem já é um dos atletas mais rodados do futebol brasileiro.

Como todos sabem, começou sua carreira no Sinop, clube do estado de Mato Grosso.

Após seu futebol brilhar em um vídeo no Youtube, foi trazido ao Santos com apenas 11 anos de idade para figurar como uma das estrelas da base santista.

Na época, Chera era apenas 3 anos mais novo que Neymar, e 1 ano mais velho que Gabigol.

No Santos, devido à ganância de seu pai, que para a assinatura do primeiro contrato profissional do filho exigiu R$ 75 mil de salário no primeiro ano, R$ 100 mil no segundo e R$ 130 mil no terceiro, além de R$ 1 milhão de luvas, foi corretamente dispensado pelo na época presidente LAOR.

Detalhe: Chera naquele tempo era reserva do time sub-17, e pouco entrava em campo.

A saída de Chera do Santos é explicada em detalhes neste post.

De Santos, o jovem rumou para a Itália, onde, no dia 31 de agosto de 2011, assinou contrato com o Genoa por 3 temporadas.

No entanto, sequer entrou em campo pela equipe italiana.

Em novembro de 2011, encostado na Itália, foi resgatado pelo Flamengo, clube no qual passou pouco tempo pelas categorias de base, sendo rebaixado ao time B do sub-17, sequer atuando entre os profissionais, repetindo os mesmos problemas enfrentados quando atuava na base santista (a chatice de seu pai), o que culminou na rescisão de seu contrato, por questões técnicas.

Já estamos em fevereiro de 2013, quando o Atlético/PR anuncia a contratação do "novo Neymar", como era chamado pela imprensa esportiva.

No clube paranaense, também sequer disputou campeonatos oficiais nas categorias de base.

Resultado: nova dispensa.

Em setembro de 2013, foi contratado pelo Cruzeiro, onde também não vingou, tendo seu contrato encerrado no final do ano.

No início de 2014, o garoto, já com 19 anos, seria anunciado pelo Oeste de Itápolis como a grande contratação para a disputa do Campeonato Paulista e da Série B.

Resultado: não jogou nenhuma partida no Campeonato Paulista, foi dispensado ao término do campeonato e não disputará a série B.

Interessante destacar a declaração do ex-técnico santista Claudinei Oliveira sobre Jean Chera, em entrevista dada ao Portal Uol em setembro de 2013.

Segundo Claudinei:

"O Jean foi meu atleta no sub 15, campeão comigo. A gente via muito potencial nele. Bom passe, bola parada muito boa, e bom chute à distância. Mas na passagem dele para o sub 17 teve um problema com o pai dele. O pai resolveu tirá-lo do clube porque ele não estava sendo muito aproveitado. Mas oscilação é normal. Essa decisão talvez determinou a situação que ele se encontra hoje. Se ele tivesse permanecido, esperado um pouco mais, hoje acredito que estaria no principal".

"O Jean era um menino talentoso e titular. Para você ver: sem o pai, ele ajudava na marcação e fazia tudo certinho. Mas o pai botava na cabeça que o filho era um craque. E o Jean passou a pensar que era", relembra Flavio Antunes, ex-treinador de Chera no sub-15 do Santos.


O antigo empresário de Jean Chera, Ricardo Mendes, comentou a saída do garoto do Genoa:

"O pai arrumou briga com o filho do presidente do Genoa porque queria que o filho jogasse. O passaporte comunitário prometido pelo pai não aparecia. Aí o Genoa juntou tudo, viu que o menino não estava correspondendo também e desistiu do negócio".

Por fim, um funcionário da base do Flamengo afirmou:

"O Chera é um garoto muito bacana. Sempre tratou a todos muito bem e teve um relacionamento tranquilo com a garotada. O grande problema é o pai dele. Sempre tem alguma reclamação, um questionamento, uma cobrança. Muita gente aqui dentro [Ninho do Urubu] não gosta disso. Pai chato que se mete muito em carreira do filho acaba atrapalhando".

Mas o que a dispensa de Jean Chera do pequeno Oeste de Itápolis tem a ensinar aos atuais meninos da Vila?

Tudo!

Antes de Chera existir, os santistas já haviam presenciado o caso de Alemão, estrela da base santista que brigou com a diretoria para jogar no futebol italiano, decisão da qual se arrepende até hoje.

Hoje, Neílton segue os mesmos passos de Jean Chera, travando seu futuro.

Assim como Victor Andrade, que, se deixar o clube, pode seguir os mesmos passos do fracasso.

Que o triste caso de Jean Carlos Chera sirva de exemplo para todos os meninos da base santista, um clube que vive e respira suas categorias de base, onde o jovem jogador tem reais oportunidades de mostrar seu futebol.

Quanto a Jean, conforme sugerido por um leitor do blog, o Santos poderia resgatá-lo, contato que ele voltasse à Vila Belmiro "pianinho", com seu pai pedindo desculpas publicamente por seu comportamento na saída precoce do clube, recebendo um salário abaixo do normal para a base, para que tivesse tempo e preparação adequadas para se desenvolver profissionalmente, e recuperar esses 3 longos anos de futebol perdidos.

O Santos tentou ensinar, mas eles não quiseram aprender.

Aí veio a vida e ensinou.

Um dura lição de vida para Jean Carlos Chera...