Santos: siga o exemplo do Cruzeiro!

Manoel é contratado pelo Cruzeiro
O Santos tentou, mas foi o Cruzeiro quem levou o melhor zagueiro do Brasil



















O Cruzeiro desde o ano passado tem o melhor elenco do Brasil.

Neste ano, o excelente esquadrão celeste continua, a ponto de ter vencido as duas primeiras rodadas do Campeonato Brasileiro com um time inteiramente reserva.

Sem falar que, há poucos dias, o clube mineiro anunciou a contratação do ótimo zagueiro Manoel, ex-Atlético Paranaense, o qual, junto com Dedé, formará a melhor dupla de zaga do Brasil.

Mas qual o segredo do Cruzeiro?

E como isso pode ajudar o Santos?

Vamos tentar juntos desvendar o segredo cruzeirense.

Tudo começa no ano de 2012.

Ano em que o Cruzeiro escapa do rebaixamento na última rodada, ao golear por 6 x 1 o seu maior rival, o Atlético Mineiro.

No mesmo ano, há eleições no clube mineiro.

Novos dirigentes, da chapa opositora, assumem o clube.

Tais dirigentes, partindo do pressuposto que o futebol brasileiro não tem condição de arcar com altos salários para estrelas internacionais, decide investir nos jovens.

A partir daí, surge uma nova filosofia no Cruzeiro: contratar basicamente jovens promissores de equipes medianas.

No ano seguinte, em 2012, começou a reestruturação do clube, que caiu nas oitavas de final da Copa do Brasil e terminou o Campeonato Brasileiro em 9º lugar.

Em 2013, enfim, a nova filosofia começava a ser implantada.

Com base na filosofia do "jovem, bom e barato", o Cruzeiro contrata Everton Ribeiro, na época com 24 anos, destaque do Coritiba naquele campeonato, pagando a pechincha de R$ 4 milhões por seu passe (que hoje vale cerca de R$ 32 milhões).

Ricardo Goulart, o jovem de 22 anos destaque do Goiás naquele Brasileiro, também foi contratado, custando R$ 5 milhões ao Cruzeiro (jogador que vale hoje R$ 24 milhões).

Dagoberto, o jovem experiente de 29 anos, foi contratado do Internacional por R$ 8 milhões.

Egídio, o jovem e promissor lateral de 25 anos, foi contratado sem custos, e seu passe vale hoje cerca de R$ 18 milhões.

Diego Souza, após excelente temporada pelo Vasco, foi contratado sem custos, venceu o Brasileiro com o Cruzeiro e foi em seguida vendido para o Metalist da Ucrânia por R$ 18 milhões.

Em troca, o Cruzeiro ainda recebeu o bom atacante Willian, de 27 anos, que ajudou o clube na conquista do Campeonato Brasileiro de 2013.

Como os grandes clubes também erram nas contratações, o Cruzeiro errou ao trazer Júlio Batista, de 32 anos, que mais se machucou do que jogou.

Após fazer caixa com a venda de Montillo para o Santos, Dedé, na época o melhor zagueiro do Brasil, com 25 anos de idade, foi contratado por R$ 14 milhões.

Bruno Rodrigo, com contrato com o Santos no fim, também foi contratado sem custos, e segue em Minas com o passe valorizado.

O bom volante Nilton, de 25 anos, também foi contratado junto ao Vasco, sem custos, em uma troca, na qual claramente o Vasco saiu perdendo.

No ano passado, o Cruzeiro contratou a revelação do Vasco, o meia Marlone, pela pechincha de R$ 5 milhões, vencendo mais uma vez o Santos na disputa por um jogador (como já havia vencido nas disputas por Everton Ribeiro, Lucca e agora por Manoel, sem falar em Neílton).

Com isso, gastando o dinheiro com inteligência, vendendo jogadores velhos e contratando jogadores jovens e promissores, o Cruzeiro caminha a passos largos para mais um título brasileiro.

Mais do que isso: em 2013 o Cruzeiro apresentava o futebol mais vistoso do país, bonito de se ver.

A arte estava sendo pintada em Minas Gerais.

O Santos, ao contrário, investia seu dinheiro da venda de Neymar com jogadores caros e pouco produtivos, como Montillo, Cícero e Thiago Ribeiro.

Mas foi justamente o investimento em jovens promessas o que deu certo, como na contratação de Eugenio Mena (23 anos) e Cicinho (25 anos), hoje titulares absolutos das laterais.

Que o Santos aprenda a lição com o Cruzeiro, clube que recebe um valor de televisão menor que o do Santos, mas que, ao ser bem administrado, sabe bem como gastar seu dinheiro.

O Santos possui ainda uma vantagem em relação ao clube mineiro: a base.

O Peixe é amplamente reconhecido pela qualidade de suas canteiras.

Assim como confirma sua história e tradição de revelar novos craques.

Adotar a filosofia do Cruzeiro na Vila Belmiro é a única saída para escapar do marasmo que tomou conta dos dirigentes santistas na hora de contratar.

A contratação de jovens e promissores atletas, como Petros, contratado recentemente pelo Corinthians, e Alemão, o zagueiro que parou o Santos, contratado pelo Vitória, ambos esnobados pelo Santos, por meio de Zinho, não atrapalha em nada o surgimento de novos valores na Vila Belmiro, como Gabigol, mas sim os auxilia a crescer profissionalmente.

Assim como o ainda jovem goleiro Fábio Costa, vindo do Vitória, o promissor lateral Léo, vindo do Guarani, o meia Elano, vindo da Inter de Limeira, e os atacantes Alberto e Ricardo Oliveira, ajudaram o Santos a formar a geração de Diego e Robinho, duas vezes campeões brasileiros e finalistas da Libertadores.

Que o Santos aprenda a contratar com o Cruzeiro.

Pelo bem do clube, eu imploro: Santos, siga o exemplo do Cruzeiro!!!