Damião ou Gabigol? O paradoxo de Oswaldo...

Damião ou Gabigol?

Oswaldo de Oliveira tem um problema.

E dos grandes.

Afinal, quem escalar como centroavante, Leandro Damião ou Gabigol?

Gabriel Barbosa, ou Gabigol, tem média superior a 1 gol a cada 2 jogos, pois marcou 15 vezes nas 29 oportunidades em que esteve em campo.

Leandro Damião, por outro lado, em 17 aparições, anotou apenas 5 gols, com média inferior a 1 gol a cada 3 jogos.

Está claro que Gabigol é a melhor opção, tecnicamente falando.

Mas como deixar de fora o jogador que já custa ao clube mais de R$ 42 milhões, e que precisa ser imediatamente vendido?

Está claro hoje que todos se enganaram (inclusive a torcida, que tinha grande esperança no futebol de Damião).

Antes mesmo de entrar em campo pelo Santos, eu já alertava, após "descobrir" que na verdade Damião não havia sido trazido de graça por um investidor, mas sim que este investidor emprestava uma grande bolada ao Santos para contratá-lo (a péssimas condições financeiras), Leandro Damião passou do "centroavante que faltava ao Santos" para "o pior negócio da história do futebol brasileiro" (o mais caro também, diga-se de passagem).

Com essa péssima negociação, eu diria que o clube ainda corre o risco de se ver obrigado a vender Gabigol para pagar Damião (algo que não quero nem imaginar).

Mas como águas passadas não movem moinhos, e a besteira já está sacramentada, precisamos pensar em soluções para contornar o problema de R$ 42 milhões que fica cerca de R$ 4 milhões mais caro a cada ano (a dívida do Santos com a Doyen será de R$ 60 milhões no 5º ano de contrato de Damião).

Eis então 2 soluções mediatas e imediatas para o problema Damião-Gabigol:


1ª Solução: algum clube comprar Damião nesta janela de julho

Em julho, abre-se a janela de transferências de jogadores para o continente europeu.

Especulou-se há 4 dias que Leandro Damião pode ser trocado com o Milan por Robinho.

Será um ótimo negócio, dependendo apenas de quanto o Milan pretende pagar para ter Damião.

Afinal, se o Santos já deve cerca de R$ 44 milhões por Damião, como conseguiria bancar os altíssimos salários de Robinho?

O negócio somente seria possível se o Milan pagasse ao Santos, no mínimo, R$ 40 milhões (deixando R$ 4 milhões de dívida no clube) mais o Robinho.

Aí sim a diretoria poderia conversar...

Mas, em outros termos, tal negociação seria impossível, por prejudicar, e muito, os cofres do clube.

Além disso, há sempre a opção de um clube maluco chinês ou árabe endinheirado levar Damião do Santos.

O que não é tão difícil de se imaginar, tendo em vista no início do ano a contratação de Montillo, por R$ 24 milhões, mesmo em péssima fase.


2ª Solução: mudar o esquema tático

Para colocar os dois para atuarem juntos, Oswaldo de Oliveira precisaria alterar o atual esquema tático da equipe, hoje postado em um 4-2-3-1 (com apenas 1 centroavante de área).

Descarto de imediato a opção esdrúxula de deixar Gabigol no banco de reservas.

Descarto também a opção por colocar Gabigol na meia direita ou na meia esquerda, onde o menino não rende, por não conseguir executar a função que faz com maestria: finalizar.

Com isso, sobra uma única opção imediata: modificar o esquema tático, atuando com 2 atacantes de área.

Damião poderia ficar mais enfiado, enquanto Gabigol poderia recuar para receber a bola, atuando como um segundo atacante.

O esquema seria o 4-4-2.

Mas como nem tudo são flores, um jogador seria imensamente sacrificado neste esquema: Lucas Lima.

No referido esquema tático, não haveria espaço para um meia armador, conforme podemos ver abaixo:

Santos variação tática 1




















Outra opção seria Oswaldo armar o time em um 4-3-3, em um esquema parecido com aquele usado pelo Santos de 2010, no qual Lucas Lima armaria o jogo, Arouca e Alison segurariam a bronca lá atrás, enquanto Thiago Ribeiro (Geuvânio ou Rildo), Gabriel e Damião infernizariam as defesas adversárias, no seguinte esquema:

Santos variação tática 2




















Por último, invoco aqui a opção de atuar com 3 zagueiros, transformando os laterais em alas (onde também rendem melhor, visto Cicinho e Mena atacam melhor que defendem), mantendo Lucas Lima na armação e Gabigol e Damião na frente para os gols, sacando Thiago Ribeiro e Geuvânio do time, ambos em má-fase.

O esquema com 3 zagueiros ficaria da seguinte forma:

Santos variação tática 3




















Bom, por hoje é só pessoal!

Essas são as alternativas táticas que vejo para o Santos de Oswaldo de Oliveira poder atuar com Gabigol e Leandro Damião juntos, tentando valorizar o futebol deste segundo.

Saudações alvinegras!