Grêmio 0 x 2 Santos - vitória, sofrimento e alívio

Grêmio 0 x 2 Santos - vitória, sofrimento e alívio

O Santos finalmente fez o torcedor sorrir!

Ao vencer o Grêmio fora de casa na Copa do Brasil pelo elástico placar de 2 x 0, o alvinegro praiano está cada vez mais próximo de avançar para as quartas de final da Copa do Brasil.

Afinal, impossível imaginar o Grêmio vencendo o Santos na Vila Belmiro por 3 gols de diferença.

Ainda mais considerando que os clubes gaúchos são fregueses do Peixe na Vila Belmiro, e até recentemente jamais haviam derrotado o alvinegro em seu estádio.

Sobre o jogo de ontem, tenho algumas palavras.

A primeira é que o Grêmio foi superior ao Santos tecnicamente durante os 90 minutos de bola rolando.

Afinal, aos 10 minutos do primeiro tempo o clube gaúcho imprensava o acuado time de Oswaldo de Oliveira em seu campo de defesa, e quase abria o placar, em chute perigoso de meia distância, sob o olhar atônito do goleiro Aranha.

Aos 20 minutos, novo susto - um digno do coração sair pela boca: Eugenio Mena, que jogou ontem sua melhor partida com a camisa do Santos (talvez por conta da convocação para a Seleção Chilena), tira a bola em cima da linha do gol santista, e evita o primeiro gol gremista!

Logo depois, aos 26 minutos, novo ataque perigosíssimo do Grêmio pelo lado do lateral Cicinho, que culminaria na defesa de Aranha e posterior "bicão" para afastar a bola.

O gol gremista parecia uma questão de tempo.

Mas, como diz uma máxima do futebol, quem não faz toma.

E assim, aos 37 minutos do primeiro tempo, como por milagre, Lucas Lima cobra com perfeição o escanteio, mandando a bola na marca do pênalti, na cabeça do bem colocado David Braz, para abrir o marcador e deixar os gaúchos nervosos, fazendo Santos 1 x 0.

A pressão gremista então aumentou sobre a defesa santista, e se tornava quase insuportável até que um lance mudou tudo.

Aos 42 minutos, o meia Lucas Lima domina a bola no meio de campo, parte em velocidade em direção à grande área gremista, totalmente desguarnecida, e cruza a bola de forma rasteira, de pé direito, para os pés de Robinho, que chuta para o gol e, com muita sorte, vê a bola voltar a bater em seu joelho esquerdo, fechando a conta muito antes da partida acabar: Santos 2 x 0.

O segundo tempo não seria fácil, e realmente não foi.

O time de Oswaldo de Oliveira adotou para a segunda etapa uma postura absolutamente arriscada: apostar 100% na defesa, esperando pelos ataques gremistas, para saírem em velocidade nos contra-ataques.

Só que os contra-ataques não vieram, e o Santos precisou se segurar na defesa mesmo.

E assim, usando de artimanhas, praticando o anti-futebol, caindo no chão quando precisava e não precisava, enrolando, ganhando tempo, catimbando, irritando os rivais, os atletas santistas ganhavam o que queriam: tempo.

E conseguiram: conforme o tempo passava, mais o Grêmio atacava, e nada conseguia.

Todos os ataques do tricolor gaúcho esbarravam nas grandes atuações individuais de Aranha, Edu Dracena, Eugenio Mena, Cicinho, Alison e Arouca, principalmente do volante Alison, um verdadeiro monstro ontem, incansável e agora mais "inteligente".

David Braz não ia mal, mas algumas de suas tradicionais trapalhadas com a bola quase custaram ao Santos alguns gols.

O ataque do Santos não existia, com exceção do meia Lucas Lima, que voltava para buscar a bola no meio de campo.

Thiago Ribeiro, Robinho e Gabriel eram nulidades em campo, e faziam o alvinegro perder 3 jogadores para ajudar na marcação.

Percebendo isso, o esperto e experiente técnico Oswaldo de Oliveira sacou os três, e colocou Alan Santos para recuperar o meio de campo, Rildo para puxar contra-ataques e Leandro Damião para fazer em 10 minutos mais do que Gabriel fizera no jogo todo (sejamos honestos).

O Grêmio atacou, atacou, atacou e atacou.

Até que, como ninguém é de ferro, cansou.

E, ao cansar, o esquadrão de branco retomou o meio de campo, tocando a bola no campo de ataque gaúcho.

No final do jogo, Leandro Damião ainda fez bela jogada, deu boa finalização, e por muito pouco o Santos não sai da Arena do Grêmio com um 3 x 0.

Lembrando ainda que, momentos antes, Lucas Lima perderia um gol cara-a-cara com Marcelo Grohe, que poderia fazer falta ao Peixe, não fosse a boa vitória, no final, por 2 x 0.

Tudo acabava aos 51 minutos do segundo tempo, com o juiz apitando o fim do jogo.

Quanta agonia!

Quanto sofrimento!

Mas tudo, no final, valeu a pena.

A vitória lavou a alma do torcedor santista, cansado de derrotas e más-atuações.

Na Vila Belmiro, precisaremos jogar muito mais do que jogamos ontem para garantir a classificação para as quartas de final.

Mas jogaremos, venceremos e nos classificaremos, podem apostar.

PS: Absolutamente ridícula a atitude de parte da torcida gremista, que xingou Aranha de "macaco", "preto fedido", e outras coisas impublicáveis! O árbitro se omitiu e nada fez. Um desrespeito ao ser humano! Um desrespeito ao Santos, um clube glorificado por jogadores negros como Pelé, Robinho e Neymar!