Santos 2 x 0 Goiás - a volta do bom futebol



Na vitória de ontem, nada chamou mais a atenção do torcedor santista que a ótima atuação coletiva do Santos.

Os "buracos" no meio de campo finalmente sumiram, e a equipe passou a atuar de forma compacta, defendendo e atacando como um verdadeiro time.

O técnico Enderson Moreira, finalmente, começa a deixar sua marca na Vila Belmiro, momento a partir do qual poderemos começar a avaliar seu trabalho.

A boa vitória de ontem, a boa atuação coletiva e o bom futebol apresentado devem seus créditos ao comandante santista, o qual, mesmo com as importantes ausências de Aranha, Edu Dracena e Robinho, teve a coragem de deixar Leandro Damião no banco, e iniciar o jogo com um quarteto ofensivo jovem, marcador, driblador, veloz e leve, formado por Lucas Lima, Geuvânio, Thiago Ribeiro e Gabriel.

O que mais chamou a atenção foi o comprometimento defensivo de nosso quarteto ofensivo, enorme diferencial que deu consistência ao time de Enderson Moreira do início ao fim do jogo.

Afinal, Lucas Lima, Geuvânio e Thiago Ribeiro efetivamente voltavam para marcar, característica essencial para garantirmos uma vitória consistente, segura, sofrendo poucos sustos na defesa, fazendo com que o mediano goleiro Vladimir não praticasse quase nenhuma defesa durante toda a partida (aliás, na única oportunidade que teve, deixou passar o golaço do bom jogador Esquerdinha, ex-Ituano - campeão paulista -, jogador no qual o Santos deveria ficar de olho, que marcou um gol absolutamente legal, porém não visto pelo auxiliar da linha do gol, que deveria servir justamente para evitar esse tipo de falha.

Com 10 santistas marcando sem a bola (Gabriel não participava da marcação), o Peixe correu pouquíssimos riscos durante todo o jogo.

E, com a óbvia aposta no futebol do lateral Victor Ferraz, tendo a coragem de deixar Cicinho no banco, o treinador santista acertou novamente.

Pois o novo lateral direito santista atuou muito bem, fechando espaços na direita alvinegra, e até participando do segundo gol santista (ele iniciou a jogada que daria origem ao gol de Geuvânio).

Vamos, então, falar rapidamente dos gols santistas.

O primeiro gol saiu em cobrança de escanteio, cobrada por Lucas Lima e cabeceada certeiramente pelo zagueiro David Braz, que, apesar de uma clara limitação técnica, vem se especializando em marcar gols de cabeça lá na frente.

O segundo gol iniciou-se em um passe do lateral Victor Ferraz para o atacante Patito Rodríguez, que havia acabando de entrar no lugar de Thiago Ribeiro (outro que atuou muito bem no primeiro tempo, mas que, como de costume, repetiu graves erros de finalização), e Patito surpreendeu a defesa goiana com um corta-luz, deixando a bola nos pés de Geuvânio, que achou novamente Patito passando para receber, e este, já dentro da grande área, cruzaria a bola rasteiro dentro da pequena área, e a redonda sobraria livre, livre, livre, para os pés do renascido Geuvânio marcar seu 2º gol seguido em 2 jogos.

Gosto cada dia mais do futebol do lateral Caju, forte na marcação e veloz nas jogadas de ataque, apesar de ter errado muitos passes ontem na segunda etapa.

A dupla de zaga reserva até que fez um bom trabalho, principalmente o zagueiro Neto, a quem a diretoria alvinegra pensa em dispensar ao final de seu contrato, no fim de 2014.

David Braz marcou o gol, é verdade, mas suas atuações com a bola nos pés dão vários "sustos" na torcida santista ao longo das partidas, apesar de ter melhorado, e muito, o nível de seu futebol.

Arouca e Alison continuam os mesmos volantes combativos de sempre, e ontem participaram ativamente das jogadas ofensivas da equipe, escancarando, no entanto, o fato de Alison precisar trabalhar mais na sua parte técnica, aprimorando passes, lançamentos e chutes, fundamentos básicos de um jogador de futebol que em alguns momentos parecem lhe faltar, apesar da boa presença na marcação.

Com um time leve ao seu lado, e sem um centroavante "na banheira", Lucas Lima teve espaço suficiente para deitar e rolar, armando as ações ofensivas do Peixe, sempre ao lado de Geuvânio, Thiago Ribeiro e Gabriel.

Geuvânio ganhou novamente confiança, e seu futebol renasceu, apesar dos muitos erros de drible na segunda etapa, e com isso começa a cada dia a aumentar a dúvida na cabeça do técnico Enderson Moreira, pressionando-o a colocá-lo no time titular mesmo com a volta de Robinho, no lugar de Thiago Ribeiro.

Chamou a atenção a absoluta ausência do atacante Rildo, o "rei do segundo tempo" com Oswaldo de Oliveira e absolutamente deixado de lado por Enderson Moreira, após discutir com o técnico.

Com a volta do bom futebol do menino da Vila Geuvânio, Rildo, que é veloz porém ruim de bola, deve terminar seu contrato de empréstimo com o Santos no banco de reservas, assim como o volante Souza, que deve deixar o clube no final do ano.

Apesar da boa vitória de ontem, o Santos continua empacado com a distância e 7 pontos em relação ao G-4, agora com 36 pontos, na 8ª posição.

Vendo pelo lado positivo, rebaixamento, na Vila Belmiro, deixou de ser uma palavra a ser seriamente considerada pelo alvinegro praiano.

Com Enderson Moreira, o ataque do Santos melhorou: somos agora o 6º melhor ataque da competição, com 31 gols, e possuímos a 4ª melhor defesa, melhor até que a do Cruzeiro (que levou 25 gols), tendo sofrido apenas 23 gols até aqui.

Melhorando as atuações da equipe, o ataque, a defesa, e consequentemente o lugar na tabela (subimos para a 8ª posição), o Peixe vive um momento ascendente no Campeonato, e, fazendo as contas, podemos chegar sim à Libertadores de 2015.

Afinal, a previsão de pontos realizada pelo blog vem se confirmando, conforme podemos ver abaixo:

22ª rodada - Grêmio x Santos - DERROTA (O SANTOS EMPATOU)
23ª rodada - Santos x Figueirense - VITÓRIA
24ª rodada - Atlético/MG x Santos - DERROTA
25ª rodada - Santos x Goiás - VITÓRIA

As próximas rodadas, no entanto, exigem bons resultados do alvinegro praiano, para que possamos seguir na luta por uma vaga na competição continental.

Como o Santos empatou contra o Grêmio, podemos admitir até uma derrota para o Flamengo, no próximo final de semana, desde que o Peixe vença os próximos jogos contra Bahia (em casa) e Criciúma (fora de casa).

Com a melhora do futebol apresentado, renova-se a esperança da torcida santista por voos mais altos.

Como manda a tradição de clube do porte do Santos FC.

PS: o destaque negativo do jogo de ontem vai para a própria torcida santista que mora em São Paulo, que tanto pede jogos na capital e quando os têm não comparecem ao estádio. Ontem, apenas 9.694 alvinegros pagaram ingresso para apoiar o Santos contra o Goiás.