Flamengo 0 x 1 Santos - sonhando acordado



O Santos de Enderson Moreira foi inteligente.

Prevendo uma difícil partida no Rio de Janeiro, o técnico santista resolveu escalar 3 volantes, para dar consistência ao meio de campo santista, e conter os desenfreados ataques rubro-negros.

Com o trio de volantes formado pelos três "As" santistas (Arouca, Alison e Alan Santos), o alvinegro da Vila impôs sua raça, sua grande vontade de vencer, sobre a vontade dos flamenguistas, que buscavam a vitória a todo tempo.

A vitória surgiu em um lance isolado no primeiro tempo, em que um cada vez melhor Geuvânio daria um lindo drible da vaca sobre o lateral rubro-negro, e avançaria em direção à pequena área, para então tocar para Robinho, livre de marcação, chutar forte para o gol, por baixo do goleiro Paulo Victor, fazendo Santos 1 x 0.

A partir daí, sobrou sofrimento e emoção para que o Santos segurasse o placar, ante um destemido e ofensivo Flamengo comandado por Vanderlei Luxemburgo.

Mas, como dizem os gurus do futebol, no esporte bretão é mais fácil defender do que atacar, destruir do que construir.

E isso o time de Enderson Moreira soube fazer com maestria, marcando com firmeza pelo meio e dobrando a marcação nas laterais, gerando perigosos contra-ataques ao roubar a bola no campo de defesa.

No alvinegro praiano, os grandes destaques da partida foram Vladimir (consagrado com aquela defesa excepcional da cobrança de falta de Chicão no segundo tempo, calando minhas críticas a ele), Edu Dracena (sempre seguro e invencível pelo alto), Eugenio Mena (que no primeiro tempo salvou no mínimo 3 gols certos do Flamengo) e Arouca (um monstro na marcação, e muito melhor com a bola nos pés, seu futebol evoluiu demais, em uma grata surpresa para o torcedor santista).

Geuvânio e Robinho, claro, principalmente o primeiro, merecem também grande destaque, por todo o perigo que levavam nos contra-ataques, suportando bem a ausência do meia Lucas Lima.

No lado negativo, temos David Braz dando sustos com a bola nos pés, e quase entregando gols para o rival, Cicinho com mais uma atuação para esquecer (está na hora de Victor Ferraz assumir a titularidade), Alan Santos, um volante que, se jogasse 10% do que pensa que joga, seria um bom jogador (mas mais erra do que acerta, comete muitas faltas e erra muitos passes, muitos mesmo!) e Gabriel, o camisa 10 que deixou o camisa 9 no banco e não correspondeu em nada, mesmo atuando em sua posição original (centroavante).

E assim, com muita inteligência e humildade, a equipe de Enderson Moreira calou o Maracanã lotado, assim como antes já havia "calado" a Arena Grêmio na Copa do Brasil.

Com os 3 pontos ganhos, o Santos revive o sonho da Libertadores, agora cada vez mais palpável pela via do Campeonato Brasileiro, antes impensável.

Permanecemos ainda na 8ª posição.

Mas isso não importa.

O que importa são os pontos.

Com a vitória, o Peixe foi a 39 pontos, ficando agora a apenas 4 pontos do Atlético Mineiro, último clube no G-4 brigando por Libertadores.

Vencer a próxima partida, na quinta-feira, a ser disputada na Vila Belmiro contra o frágil time do Bahia, 14º colocado no Brasileiro, é essencial para seguir alimentando o sonho bastante possível da volta à Libertadores da América.

Com uma mudança de postura da equipe, que agora dá gosto de ver jogar, com um técnico que sabe o que quer, com jogos contra adversários fracos pela frente, com Arouca e Robinho, não há razões para não acreditar.

Eu acredito.

E você?