Oswaldo de Oliveira x Enderson Moreira

Oswaldo de Oliveira x Enderson Moreira


Das 36 rodadas vividas pelo Santos neste Campeonato Brasileiro, 18 foram disputadas sob o comando de Oswaldo de Oliveira e 18 foram disputadas com Enderson Moreira à frente da equipe.

Na primeira metade da competição nacional, Oswaldo de Oliveira conquistou 6 vitórias, 5 empates e 7 derrotas, consolidando 23 pontos para o Peixe na tabela.

As 6 vitórias do Peixe comandado pelo ex-técnico foram obtidas sobre Figueirense, Criciúma, Bahia, Chapecoense, Palmeiras e Atlético Paranaense, todos times que, na época, estavam abaixo do alvinegro na tabela (levando-se em conta que hoje Criciúma está rebaixado e Bahia e Palmeiras brigam para não caírem para a 2ª divisão).

Com Oswaldo, os 5 empates vieram contra Sport, Coritiba, Goiás, Grêmio e Flamengo (três deles pelo modorrento placar de 0 x 0).

Mas foram mesmo as 7 derrotas contra times acima da tabela (com exceção do Botafogo) que custaram o cargo do ex-técnico alvinegro, que perdeu contra Atlético/MG, Fluminense, Internacional, Corinthians, Cruzeiro, São Paulo e Botafogo - todas fora de casa, com exceção do Atlético/MG.

A partir daí, surge o técnico Enderson Moreira, pregando uma nova filosofia de trabalho e a vitória contra os clubes contra os quais Oswaldo de Oliveira havia perdido.

O que, diga-se de passagem, não passou de promessa.

Enderson conseguiu a proeza de perder mais uma vez para Atlético/MG, Fluminense, Internacional, Corinthians, Cruzeiro e São Paulo.

E pior: 4 desses jogos foram disputados em casa, onde o Peixe não costuma ser derrotado (contra Fluminense, Internacional, Cruzeiro e São Paulo).

Enderson Moreira, portanto, tem exatamente o mesmo desempenho que levou à demissão do técnico Oswaldo de Oliveira.

Em questão de pontos conquistados, a presença de Enderson Moreira pouco acrescentou.

Se Oswaldo de Oliveira havia conquistado 23 pontos no primeiro semestre, Enderson Moreira garantiu, nas mesmas 18 rodadas, a conquista de 24 pontos.

Os 21 pontos de Enderson Moreira foram conquistados com 7 vitórias, 3 empates e 8 derrotas.

As vitórias foram conquistadas contra Vitória, Coritiba, Figueirense, Goiás, Bahia, Palmeiras e Flamengo (três desses times já haviam sido batidos no primeiro turno).

Os empates vieram contra Grêmio (mais um 0 x 0), Chapecoense e Atlético Paranaense.

As derrotas, que podem custar a cabeça de Enderson Moreira no final do ano, se materializaram contra Sport, Atlético Mineiro, Criciúma, Fluminense, Internacional, Corinthians, Cruzeiro e São Paulo.

Para piorar, o Santos engatou uma terrível sequência de 7 partidas sem vitória (5 derrotas dentre elas), e só não corre risco de rebaixamento graças a existência de times tecnicamente piores ou em grave crise financeira.

A partir das estatísticas fornecidas, é possível concluirmos que os resultados de Enderson Moreira foram praticamente idênticos aos de Oswaldo de Oliveira.

Claro que o novo técnico santista pegou o bonde andando e não participou da montagem do elenco para 2014.

Claro que Enderson não teve tempo suficiente para treinar e preparar os jogadores em uma pré-temporada, dando ao time o padrão tático que gostaria.

Claro que o time entrou no clima de "fim de festa" após a eliminação na Copa do Brasil e o fim das chances de Libertadores no Brasileiro.

Mas, pela análise fria dos dados, podemos concluir que a mudança de técnico não surtiu nenhum efeito prático na classificação ao longo do Campeonato.

Curiosamente, Oswaldo de Oliveira entregou o Santos na 11ª posição, mesma posição atualmente ocupada pelo Santos de Enderson Moreira.

Até prova em contrário, trocamos seis por meia-dúzia.

Água por gelo.

Aguardemos as eleições do Santos, em dezembro, para que o próximo presidente defina pela permanência ou não do atual técnico santista.

Penso que, diante da eminente crise financeira vivenciada, o Peixe não poderia se dar ao luxo de pagar a alta multa rescisória do técnico Enderson Moreira, com quem a administração Odílio Rodrigues irresponsavelmente firmou contrato até o fim de 2015.

A escolha foi feita, e agora o clube terá que arcar com ela, mantendo Enderson Moreira, sob pena de contrair uma nova dívida que o clube evidentemente não pode pagar.

Que 2014 termine logo...