Resumo da semana do Santos Futebol Clube



O Santos viveu uma semana tensa, com a inesperada demissão do técnico Enderson Moreira, após uma visita do presidente Modesto Roma ao CT Rei Pelé.

A demissão do treinador dividiu torcedores alvinegros: de um lado, os a favor demissão, os quais achavam Enderson um técnico fraco, que não dava preferência aos meninos da base, e exagerava nas broncas; do outro lado, os contrários à demissão, defensores da boa campanha no Campeonato Paulista (invicto, com 5 vitórias e 2 empates) e das broncas nos meninos, para evitar crises de estrelismo e casos como o de Neymar, Neílton e Victor Andrade.

Eu, por outro lado, penso que só quem acompanhava o Santos no dia-a-dia, nos bastidores dos treinos e vestiários, antes e depois dos jogos, sabe se o técnico exagerava ou não nas broncas aos meninos, e se agia corretamente ao fazê-lo.

O presidente Modesto Roma, por outro lado, negou qualquer problema entre Enderson e os meninos da base, afirmando que foi o técnico quem pediu para sair, e não o contrário (ele não foi demitido, segundo o presidente santista, mas pediu demissão).

O verdadeiro problema, segundo o presidente santista, estaria nos direitos de imagem (maior parcela do salário) do técnico, que estava irritado com a situação - o próprio Enderson Moreira declarou recentemente que nunca recebeu direitos de imagem do Santos (valor correspondente a 40% de seu salário, de R$ 200 mil mensais).

Se o Santos acertou ou não ao demitir Enderson Moreira, que vinha fazendo uma campanha brilhante no Campeonato Paulista com um time totalmente desacreditado, só o tempo dirá.

Até lá, deixo aqui para vocês minha análise de sua demissão, neste post.

Para enterrar de vez o assunto, acho interessante transcrever algumas palavras ditas por Enderson Moreira ao ser entrevistado pelo canal SPORTV, sobre todo o ocorrido:

– Tem seis meses que não recebo 40% do meu salário, é o que foi combinado. Nem por isso eu fui na imprensa reclamar disso.

- Depois do treinamento, fui chamado pelo presidente para uma conversa. Ele demonstrou realmente uma certa insatisfação. Eu falei com ele naquele momento que eu também estava insatisfeito com algumas coisas, como os direitos de imagem que eu não recebi e algumas contratações, que eu gostaria. Eu entendo a situação financeira, mas achava que a gente poderia buscar outro caminho. Ele falou sobre a pressão de conselheiros que gostariam muito que eu saísse do Santos. Quando eu percebi isso, coloquei meu cargo à disposição, ele poderia me demitir. A gente não precisava esperar três, quatro derrotas para fazer isso. Ele prontamente aceitou essa situação, de me demitir. Foi um acordo feito, não partiu nem de um lado nem de outro. Nem eu me demiti, nem ele me demitiu prontamente.

– Coloquei pra ele também as minhas insatisfações. Falei que pedi algumas contratações, que não foram bem vistas. Muito se falou do Walter (do Fluminense), mas não foi só ele. Diante dessa situação, falei: “Se o senhor está insatisfeito, não vamos esperar perder três jogos para o senhor me mandar embora. O cargo está à disposição, não estou pedindo demissão, mas se o senhor quiser me demitir, a gente entra num acordo”. Havia uma insatisfação de ambas as partes.

- Isso é fora de propósito. Eu imediatamente após a saída do Santos, recebi uma mensagem muito carinhosa do Robinho, onde ele agradecia tudo que foi feito. Vários outros jogadores mandaram mensagens, ligaram, funcionários, comissão técnica. Não vejo nenhum tipo de veracidade. Vocês podem ver o ambiente que era no Santos. Pega na Santos TV, podem ver o nosso último jogo, contra o Linense, como era nosso ambiente, como os jogadores entram e saem do vestiário, como nós conduzimos o dia a dia. Estou muito tranquilo em relação a isso, é uma coisa de maldade, inverdades.

– O que espanta é a campanha em cima do Gabriel, do seu staff, forçando a barra. As pessoas que trabalham com ele parecem não acreditar nele. Ele tem que conquistar seu espaço de maneira tranquila, é um grande jogador, tem grande potencial, mas tem que vencer algumas etapas ainda. Agora, é vida que segue. Estou tranquilo com a minha consciência, fiz o que era melhor para o Santos no momento. O Santos hoje tem uma equipe competitiva, mesmo com as saídas repentinas no início do ano.

- Sempre tive muita atenção com os garotos. Eu trabalhei com categorias de base por 15 anos. Eu já vi muito jogador da base queimado na equipe principal, jogadores que foram colocados sem nenhuma preparação. Já vi muito jogador ser colocado na arena sem condições. Tem que ter paciência. A gente deu chance para o Caju, Lucas Otávio, Leandrinho, Gustavo, a gente dá oportunidade para todos, de maneira tranquila.

- Eu não aceito de forma nenhuma comentário, insinuação, em relação a escalação de fulano ou beltrano, vindo de qualquer dirigente ou da imprensa. Eu sempre prezei pelo meu trabalho, pela minha honestidade, de fazer o que eu e meus auxiliares achamos o que é correto. A escalação é de minha total responsabilidade, não aceito dividir com outra pessoa, porque a pressão vem em cima do treinador. Eu tenho que estar muito tranquilo com a minha consciência para fazer o que é o melhor que eu vejo para a minha equipe.

A pressa em definir um novo treinador para o Santos Futebol Clube, considerando apenas os disponíveis no mercado atualmente (Vagner Mancini, Abel e Dorival Júnior), demonstra tão somente a inexistência de planejamento no futebol brasileiro (apesar da atual diretoria não ter contratado Enderson Moreira), afinal, tanto Vagner Mancini quanto Dorival Júnior, ao serem contratados de repente, sem nenhum planejamento, provavelmente serão demitidos daqui a 5 ou 6 meses.

A partir deste ponto, voltarei ao RESUMO DA SEMANA DO SANTOS FUTEBOL CLUBE.

E, como não fiz post semana passada, resumirei os principais fatos das 2 últimas semanas do Peixe (não mencionarei jogos).

Vamos a eles!


1) Vagner Mancini e Dorival Júnior - as bolas da vez

Se precisasse apostar em qual será o técnico do Santos para 2015, colocaria minhas fichas em Vagner Mancini, treinador que passou pelo alvinegro em 2009, ano em que estreou bem, mantendo-se invicto por 8 jogos, até perder a final do Campeonato Paulista para o Corinthians, mas começou mal o Brasileiro, sofrendo uma goleada por 6 x 2 para o Vitória, no Barradão, além da vexatória eliminação, na Copa do Brasil, para o CSA, em plena Vila Belmiro (quem não se lembra?).

Mancini já foi procurado pelo Santos, e seu nome é visto nos bastidores com bons olhos por dirigentes e conselheiros do clube - foi ele quem deu a primeira chance a Neymar como profissional.

Além de Vagner Mancini, os dirigentes alvinegros trabalham com os nomes de Dorival Júnior (que curiosamente deixou o clube pelo mesmo motivo de Enderson Moreira, e que acumulou seguidos fracassos na carreira depois daquele Santos de 2010), Abel Braga (já descartado por conta do alto salário) e Eduardo Baptista (consultado, rejeitou a proposta, manifestando o desejo de permanecer no Sport).

Portanto, apenas Vagner Mancini e Dorival Júnior seguem firmes no páreo.

Os dois, que atualmente viajam juntos pela Europa, realizando cursos e visitando treinadores estrangeiros, para se aperfeiçoarem, já foram consultados pelo clube: Mancini fez a menor pedida salarial, e com Dorival as conversas ainda estão em estágio inicial.

A favor de Vagner Mancini consta unicamente o milagre de tirar o Atlético Paranense da zona de rebaixamento, em julho de 2013, e levá-lo ao 3º lugar do Campeonato Brasileiro, rendendo ao clube paranaense uma vaga na Copa Libertadores da América de 2014, além de ter conduzido o clube à inédita final da Copa do Brasil 2013, na qual acabaria vice-campeão (além disso, consta também, no longínquo ano de 2005, o milagre de ter conquistado a Copa do Brasil com o Paulista de Jundiaí).

Contra Vagner Mancini pesa uma carreira de mais fracassos que sucessos, com dois rebaixamentos (com Botafogo - no ano passado - e Guarani), pouquíssimos títulos de expressão (uma Copa do Brasil em 2005 pelo Paulista de Jundiaí, um Campeonato Baiano pelo Vitória em 2008, e um Campeonato Cearense em 2011 pelo Ceará), o fato de não ganhar nenhum título a 4 anos, e as sucessivas demissões de Vitória, Vasco, Guarani, Ceará, Cruzeiro, Sport, Náutico, Atlético/PR e Botafogo após deixar o Santos, em 2009.

A favor de Dorival Júnior consta unicamente a montagem do belo time do Santos Futebol Clube no primeiro semestre de 2010, que conquistaria o Campeonato Paulista e a Copa do Brasil daquele ano.

Contra Dorival Júnior consta o fato de que, depois dessa boa passagem pelo Peixe, o técnico se especializou em tirar clubes do rebaixamento, como Atlético Mineiro, Fluminense (rebaixado, mas ajudado pela CBF) e Palmeiras - em 2014. Além destes, treinou Interancional, Flamengo e Vasco, sendo demitido em todos esses trabalhos, após seguidos insucessos.

Qual o melhor para o Santos? Nenhum dos dois...


2) Santos x Botafogo/SP - neste domingo as 18h30min

Amanhã de tarde o Santos vai ao interior para enfrentar o Botaogo/SP, pela 8ª rodada do Campeonato Paulista.

O time titular deve entrar em campo com:

Santos x Botafogo/SP
Imagem: portal globoesporte.com

3) A volta do futebol feminino

O futebol feminino está de volta à Vila Belmiro!

A diretoria alvinegra contratou Caio Couto, ex-treinador da Seleção Brasileira sub-20, para o cargo de comandante das Sereias da Vila.

O time já conta com 16 atletas contratadas, e a ideia é expandir o elenco para 25 ou 30 jogadoras para a temporada.

Os treinamentos começarão dia 16 de março.

Lembrando que, de 2008 a 2012, as "Sereias da Vila" ficaram conhecidas internacionalmente após conquistarem a Libertadores da categoria e a Copa do Brasil, com a craque Marta como principal nome do elenco santista, e várias jogadoras servindo à Seleção Brasileira feminina.

A ideia, segundo o presidente Modesto Roma, será promover também o retorno do futsal e do futebol de praia profissionais à Vila Belmiro.

Melhor para o Santos, que aumenta sua exposição, respeito e visibilidade país afora.


4) Santos veta troca de terrenos para a base

Em reunião realizada na noite de quinta-feira, conselheiros do Santos vetaram de forma unânime o negócio com a multinacional francesa Leroy Merlin para a troca do terreno do atual CT Meninos da Vila, usado pelas categorias de base, na entrada da cidade, por uma nova estrutura, que seria erguida pela empresa em uma área às margens da rodovia Cônego Domênico Rangoni.

O acordo para a construção do novo CT havia sido assinado em dezembro na gestão de Odílio Rodrigues (só por isso já fico com um pé atrás, pois a capacidade de fazer burrices na gestão Odílio foi infinita), e previa a construção de um novo centro de treinamento para os meninos da base, com 4 campos, alojamento para 120 atletas, salas de aula, centros de fisioterapia, fisiologia, departamento médico e academias.

Os conselheiros apoiaram o veto no parecer contrário do departamento jurídico do clube, que rechaçou a troca de terrenos com os seguintes argumentos:
- A área hoje usada para os treinamentos das categorias da base foi avaliada em R$ 52 milhões, enquanto a empresa investiria R$ 43,4 milhões para comprar um terreno e montar a estrutura (uma diferença de mais de R$ 8 milhões entre os terrenos).
- Os atletas correm risco em sua segurança, pois o terreno oferecido fica em local afastado da cidade, a cerca de 30 quilômetros da Vila Belmiro.
- O CT Meninos da Vila é alvo hoje de 10 penhoras em processos de execução fiscal, e caso o negócio fosse sacramentado, o imóvel teria que ser substituído pela Vila Belmiro.

O presidente Modesto Roma Júnior, presente naquela reunião, mostrou-se contrário ao negócio, que seria erguido em um terreno na área continental de Santos, a 30 quilômetros de onde os garotos treinam hoje: "Sempre discordei dessa permuta por razões de respeito aos nossos atletas da base. Nossa base não pode ser deslocada para fora das condições mínimas de convivência social. Faz parte das obrigações do clube dar aos atletas a formação de vida, e não apenas esportiva. Colocar esses atletas entre o nada e o lugar nenhum seria desumado".

Na minha visão, o Santos pensou pequeno, e perdeu uma excelente oportunidade de construir, de graça, um excepcional e moderno centro de treinamento para sua maior joia: as categorias de base.

O terreno realmente fica em um local isolado, longe de tudo, mas para isso bastaria oferecer ônibus do clube que transportassem os meninos para as demais localidades da cidade, vindo buscá-los em uma hora e local determinado.

Além disso, a simples construção de um gigante complexo de futebol levaria consequentemente à valorização e desenvolvimento da região, que deixaria de ser insegura (o CT do São Paulo fica em Cotia, que também ficava entre o nada e o lugar nenhum).

Uma pena para o Santos...

Novo Centro de Treinamento Santos (Foto: Divulgação )


5) Alison para por 6 meses

A notícia é velha, mas vale a pena repetir para os desavisados: o volante Alison rompeu o ligamente cruzado anterior do joelho direito e ficará fora dos gramados por 6 meses (deve retornar somente em outubro).

Essa é a terceira vez que o volante rompe os mesmos ligamentos, razão pela qual essa será sua terceira cirurgia para tentar corrigir o problema.

Que os médicos do Santos consigam resolvê-lo de uma vez.

O presidente Modesto Roma já descartou, pelo menos até o início do Campeonato Brasileiro, buscar jogadores para a posição, que conta hoje com Renato, Valencia, Lucas Otávio e Leandrinho.


6) Caju renova

O lateral-esquerdo Caju, uma das melhores promessas da base santista, renovou com o Santos até 2020.

Em seu novo vínculo, o lateral terá um gigantesco aumento no seu salário, que passará dos atuais R$ 5 mil mensais para R$ 70 mil mensais, valor que aumentará progressivamente, até atingir R$ 130 mil mensais, ao final do contrato, em 2020.

Na renovação de contrato, o Santos pagará R$ 1,2 milhão de luvas a Caju, que recusou uma proposta do Udinese, da Itália, além de estar sendo monitorado pelo Barcelona.

Vida longa a Caju no Peixe!


7) Lucas Crispim renova

O atacante da base prorrogou seu contrato com o Santos até o fim de 2017 e recebeu um aumento salarial.

O jovem da base alvinegra foi emprestado ao Vasco em 2014, onde atuou como titular por várias partidas na Série B do Campeonato Brasileiro.

Natural de Brasília/DF, o atacante chegou ao Peixe em 2007 e conquistou 9 títulos na base (dentre eles a Copa São Paulo de Futebol Júnior de 2013).

Vida longa a Lucas Crispim no Peixe!


8) Patito Rodríguez emprestado

Ao conseguir emprestar o atacante ao Johor, da Malásia, até novembro, o Santos se livrou de um grande problema.

Além de não atuar regularmente pela equipe, Patito tinha no alvinegro um salário de craque, de R$ 200 mil mensais, valor absolutamente incompatível com a nova política de austeridade implantada no clube por Modesto Roma.


9) Novo estádio do Santos?

No dia 14 de janeiro deste ano, o empresário Walter Torre, responsável pela construção da moderníssima Arena do Palmeiras, visitou o CT Rei Pelé para um encontro nada casual com o presidente santista Modesto Roma Júnior.

Na reunião, o presidente santista demonstrou interesse na construção de um novo estádio para o clube (a reconstrução do Palestra Itália custou R$ 660 milhões).

O empresário chegou ao CT de helicóptero não por acaso: ele aproveitou para sobrevoar a área que poderia ser utilizada para a construção do novo estádio alvinegro, em um terreno pertencente à União, hoje cedido à Associação Atlética dos Portuários de Santos, bem próxima ao CT Rei Pelé e a poucas centenas de metros da Vila Belmiro.

Em rápido contato com o portal Globoesporte, o empresário afirmou: "Fui ver (a área apontada). Ali cabe (um estádio), é (uma região) boa, central. Pode ser um bom lugar. Dá pra fazer. Foi uma reunião mais para entender o mercado. A gente espera voltar a se reunir mais para frente. Ele (Modesto) tem uma visão de negócio, seria bom fazer negócios com ele".

Na reunião, nada foi discutido a respeito do futuro da Vila Belmiro.

Que o Santos consiga, o quanto antes, fechar essa parceria e garantir seu mais novo estádio!

Montagem Terreno Estádio Santos (Foto: Editoria de arte)

10) Parceria internacional

O Santos firmou recentemente parceria com a companhia aérea francesa Air France, que divulgará a marca do alvinegro em seus voos internacionais em produções de meia hora da Santos TV, o canal oficial do Peixe.

O programa, divulgando o clube, estará disponível nos voos de longa duração realizados pela companhia aérea nas rotas entre Paris, Américas do Sul e Norte, África, Ásia e Oceania, trajeto onde circulam cerca de 1,3 milhões de pessoas por mês, em 5.600 voos.

Durante os 3 meses do vínculo, o conteúdo da Santos TV poderá ser acessado por quase 4 milhões de pessoas.

O contrato com a empresa é válido até junho deste ano, como experiência, e pode ser renovado.

O Santos Futebol Clube é o único clube brasileiro que dispõe desse serviço.


11) Austeridade fiscal e o método Dagoberto Santos

O novo diretor-executivo alvinegro, Dagoberto Santos, é o principal nome da nova política de austeridade fiscal do clube.

Dentre suas ideias, projetos e pensamentos, destaco ao torcedor santista os principais trechos de sua entrevista concedida semana passada ao portal Globoesporte:

– Você não faz saneamento de um clube em um ano ou meses. Na proporção que o Santos está endividado é tarefa para três ou quatro anos. Temos de estabelecer políticas corporativas, metas a serem atingidas, e começar a cumpri-las. Não adianta fazer um discurso diferente da ação.

- Ele (o elenco) hoje é formado por 30 jogadores e temos uma folha de R$ 3 milhões ao mês, uma economia de R$ 2 milhões mensais em relação ao ano passado. Não podíamos ter uma folha de pagamento maior do que R$ 3 milhões. Você pode ter um jogador ganhando R$ 1 milhão, e o resto ganhando a diferença. Também não podemos ultrapassar os 30 atletas. Se quiser trazer o 31º, alguém vai ter que sair para dar lugar.

- Gosto de me envolver no futebol. Poderia ter ficado na Vila Belmiro, mas fizemos a opção de vir aqui para o CT. Optamos por pegar a nossa atividade fim, que é o futebol, e tê-la sob controle. A coisa estava muito complicada quando chegamos. Tenho como estilo assistir preleções, concentro com jogadores, assisto treino, discuto com técnico, vou ao vestiário. Assim, tenho a capacidade de agir preventivamente, de sentir o entusiasmo do grupo e tomar decisões pontuais para evitar que algum tipo de problema possa acontecer.

- Qualquer projeto que envolva a base é prioritário. A minha opinião é de que a construção de um CT para as categorias de base é mais importante do que uma arena neste momento.   

- Não é a base que vai jogar igual ao profissional, é o profissional que vai jogar como a base. O DNA do jogo começa lá embaixo.