Santos vs XV de Piracicaba - análise completa

Santos vs XV de Piracicaba - análise completa


O Santos encerra sua participação na primeira fase como 2º colocado geral, com 34 pontos, conquistados com 10 vitórias, 4 empates e apenas 1 derrota (por 3 x 1 para a Ponte Preta, em Campinas).

O Peixe conta com o segundo melhor ataque da competição (29 gols), atrás apenas do São Paulo (30 gols).

A defesa é a 4ª melhor, tendo sofrido 12 gols em 15 jogos, atrás dos três grandes paulistanos, cada um com 10 gols sofridos.

Com isso, o Santos termina a primeira fase do Paulista com o 3º melhor saldo de gols entre as equipes (17 gols), atrás apenas de São Paulo (20 gols) e Corinthians (18 gols).

O Peixe também é o segundo clube com melhor aproveitamento na competição (75,6%), atrás apenas de Corinthians (82,2%), que segue invicto.

Por outro lado, O XV de Piracicaba, adversário do alvinegro praiano nas quartas-de-final do Campeonato Paulista, penou horrores para se classificar.

Último dos 8 clubes a se classificar para a próxima fase, o clube do interior conquistou sua vaga com apenas 5 vitórias, 3 empates e 7 derrotas no currículo, o 9º melhor ataque da competição (17 gols em 15 jogos), a 13ª melhor defesa (20 gols sofridos em 15 partidas), e um tenebroso saldo de - 3 gols.

Classificou-se com o 12º melhor aproveitamento da competição (40%) e como o 12º em número de pontos conquistados - apenas 18 (essa é uma das distorções das regras do atual Campeonato Paulista, pois o 8º melhor time acaba não jogando as quartas de final).

Como se não bastasse, o XV de Piracicaba não conseguiu vencer nenhum dos grandes (derrotas por 2 x 0 para São Paulo, 1 x 0 para Palmeiras e empate por 2 x 2 com o Corinthians).

Para finalizar, cumpre observar que nosso adversário, atuando fora de casa na primeira fase do Campeonato Paulista, soma 4 derrotas, 2 empates e apenas 2 vitórias (por 3 x 2 contra o RB Brasil e por 1 x 0 contra o Audax).

Colocadas as estatísticas sobre a mesa, podemos afirmar com toda a certeza de que o Santos, segundo melhor time do Campeonato Paulista, enfrentará o adversário mais fraco dentre os 8 clubes classificados para as quartas-de-final.

Por isso mesmo, a atenção do alvinegro deve ser redobrada, tomando-se todos os cuidados para não subestimar a equipe do interior.

O que não será difícil para um time como o Santos, que sobreviveu a grandes desafios neste Campeonato Paulista.

Começando com a surpreendente melhor campanha do campeonato estadual sob o comando de Enderson Moreira, quando a imprensa não apostava nada no alvinegro, abalado por grave crise financeira.

Continuando com o empate contra o São Paulo, na Vila Belmiro, quando o clube do Morumbi estava em alta.

Enfrentando a inesperada e súbida demissão de Enderson Moreira, e acertando ao efetivar Marcelo Fernandes como técnico santista.

Seguindo com a vitória de virada sobre o Palmeiras, por 2 x 1, na Vila Belmiro, já sob o comando de Marcelo.

Digerindo a derrota para a Ponte Preta e a perda da invencibilidade e do 1º lugar geral da competição.

E terminando com o convincente empate contra o Corinthians, no Itaquerão, em um segundo tempo no qual só deu Santos.

Este Santos cresce nos momentos de dificuldade, e daqui para frente não será diferente.

Apenas 4 jogos separam o Peixe do título paulista, que escorregou de nossas mãos por muito pouco em 2014.

O time está pronto para o título.

O goleiro Vladimir evoluiu muito e felizmente calou as minhas críticas na excelente atuação contra o Corinthians.

O zagueiro David Braz joga cada vez mais sério, transmitindo cada vez mais segurança, e é impressionante como seu futebol evoluiu.

O defensor Werley está ainda em um patamar abaixo de David Braz, e parece que disputará posição com Gustavo Henrique já para o próximo jogo.

O lateral-esquerdo Chiquinho assumiu de vez a titularidade da lateral-esquerda, enquanto Caju segue lesionado.

O lateral-direito Victor Ferraz ganhou a posição de Cicinho, após seguidas boas atuações, tanto ofensivamente quanto defensivamente.

O primeiro volante Valencia tornou-se titular, após um período de reforço muscular (apesar da minha opção pessoal pelo jovem Lucas Otávio).

O segundo volante Renato surpreendeu a todos (inclusive a mim) com atuações seguras, firmes, defensivamente elogiáveis (ele ganha todas pelo alto, nos escanteios só dá ele), e excepcionais para um atleta de 35 anos.

O meia Lucas Lima alternou altos e baixos na competição, mas podemos dizer que praticamente todas as jogadas de perigo do Santos passam por seus pés.

O atacante Geuvânio começou a temporada voando, e seu rendimento de repente despencou. Tomara que sua irregularidade não o afete na fase de mata-mata do Paulista.

O atacante Gabriel ganhou a posição na ponta esquerda e vem desempenhando bom papel desde então, com boas assistências, deixando o cargo de artilheiro para...

O eterno Robinho - como poderia esquecer de você? - desfilando sua magia com a bola nos pés, com uma qualidade técnica indiscutível, liderando a equipe em campo, demonstrando seu infinito repertório de dribles, e tendo melhorado bastante nas finalizações depois que voltou da Europa, apesar do vigor físico de 31 anos não ser o mesmo do menino franzino de 20. Sem Robinho, o Santos sofreu sua primeira derrota do ano, para a Ponte Preta, fato que por si já demonstra a importância do atacante para o clube.

Ricardo Oliveira, centroavante de 34 anos que surpreendeu a todos ao voltar dos Emirados Árabes com um excelente futebol, além de um ótimo custo benefício (recebendo R$ 50 mil por mês). Titular indiscutível, hoje é o vice-artilheiro do Campeonato Paulista (8 gols) e luta por levar o Santos a ser campeão.

Este time está pronto para ser campeão.

E você, o que acha?